Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

dinheiro público

- Publicada em 21h21min, 06/02/2020. Atualizada em 16h03min, 07/02/2020.

Petistas apoiam mobilização pela Lei Kandir, diz Mainardi

Deputado defende foco na aprovação do projeto do senador Wellington

Deputado defende foco na aprovação do projeto do senador Wellington


/NÍCOLAS CHIDEM/JC
Marcus Meneghetti
Embora seja o líder da maior bancada de oposição na Assembleia Legislativa, o deputado Luiz Fernando Mainardi (PT) garante que os petistas estão dispostos a somar esforços em uma mobilização para buscar os ressarcimentos que o Rio Grande do do Sul tem direito por conta da Lei Kandir. Mainardi também acredita que o governador Eduardo Leite (PSDB) deve liderar esse processo, com foco na aprovação do projeto do senador Wellington Fagundes (PL-MT), que regulamenta o pagamento das compensações da Lei Kandir. Conforme Mainardi, a aprovação da matéria poderia render até R$ 6,36 bilhões ao ano para o Estado.
Embora seja o líder da maior bancada de oposição na Assembleia Legislativa, o deputado Luiz Fernando Mainardi (PT) garante que os petistas estão dispostos a somar esforços em uma mobilização para buscar os ressarcimentos que o Rio Grande do do Sul tem direito por conta da Lei Kandir. Mainardi também acredita que o governador Eduardo Leite (PSDB) deve liderar esse processo, com foco na aprovação do projeto do senador Wellington Fagundes (PL-MT), que regulamenta o pagamento das compensações da Lei Kandir. Conforme Mainardi, a aprovação da matéria poderia render até R$ 6,36 bilhões ao ano para o Estado.
Em entrevista ao Jornal do Comércio, o ex-governador Pedro Simon (MDB) defendeu a união das forças políticas gaúchas para reivindicarem junto ao governo federal as compensações da Lei Kandir. Simon observou que, se o passivo do Estado com o governo federal "é impagável", o débito da União com o Rio Grande do Sul também é elevado. Por isso, defendeu uma espécie de encontro de contas.
O governador Eduardo Leite (PSDB) acenou com a possibilidade de um movimento: "Embora não haja uma perspectiva de, a curto prazo, ser viabilizado o pagamento por parte da União da compensação aos estados com as perdas decorrentes da desoneração de tributos estaduais nas exportações, determinada pela Lei Kandir, é importante uma união envolvendo o Estado em torno desse tema". 
Na semana passada, ao assumir a presidência da Assembleia Legislativa, Ernani Polo (PP) disse que é parceiro para buscar os recursos da Lei Kandir. Em entrevista ao JC, Polo defendeu a inclusão da iniciativa privada na mobilização pelas compensações.
Jornal do Comércio - O governador Eduardo Leite já acenou com a formação de um movimento pelos ressarcimentos da Lei Kandir. O presidente da Assembleia, Ernani Polo (PP), também. O PT apoiaria uma iniciativa dessas?
Luiz Fernando Mainardi - Mas é claro. Estamos instalando duas comissões especiais para tratar de temas afins: uma delas, que vou presidir, vai tratar do ICMS no Estado; a outra, que será presidida pelo Edegar Pretto (PT), vai tratar da dívida com a União. O governador anunciou que quer fazer uma revisão nos benefícios fiscais. Ok, ele pode fazer isso também. Mas, se não encarar o problema com a União, não tem solução.
JC - O que falta para resolver esse problema, do ponto de vista político?
Mainardi - Falta a liderança do governador. Se for criada essa união, pode contar que somaremos todas as forças. Mas tem que ter coragem de enfrentar o governo federal, não se submeter totalmente à lógica deles, do ajuste fiscal. Outro dia, estava ouvindo o (secretário do Tesouro Nacional) Mansueto Almeida, dizendo o que o Rio Grande do Sul deveria fazer (para superar a crise), se ia ter que vender o Banrisul ou não... Essa lógica de austeridade falhou em todos os lugares que foi aplicada. Temos que pautar o justo. E o justo é recebermos o ressarcimento pelo o que perdemos com a Lei Kandir.
JC - Muita gente acredita que os pagamentos da Lei Kandir são inviáveis...
Mainardi - Quando a gente fala em Lei Kandir, o próprio governador diz que isso é um mito (durante a apresentação do pacote de projetos do funcionalismo, um slide citaou os ressarcimentos da Lei Kandir como "mito"). Quando a gente fala que deve ser feito algo em relação à dívida com a União, ele diz que isso é mito. Tudo o que foge aos cortes nas despesas, o ajuste fiscal a qualquer preço, ele diz que é mito. Na verdade, ele não quer enfrentar o governo federal.
JC - Em 2019, o chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni (DEM) chegou a defender a revogação da Lei Kandir. Outras pessoas, por outro lado, argumentam que a lei foi boa para o País, porque aumentou as exportações. O que pensa sobre a lei?
Mainardi - Em 1996, ano em que foi criada a Lei Kandir, as exportações brasileiras fecharam com déficit de U$ 5,6 bilhões. Ou seja, importamos U$ 5,6 bilhões a mais do que exportamos. Neste mesmo ano, exportamos U$ 48 bilhões. Em 2019, o saldo positivo foi de U$ 47 bilhões; as exportações somaram U$ 223 bilhões. Isso mostra que (com a Lei Kandir) as exportações aumentaram muito nas últimas décadas. A União ganhou enormemente com isso. Os estados exportadores, por outro lado, perderam arrecadação de ICMS (que incidia sobre os produtos exportados). E a compensação que foi prometida nunca foi regulamentada.
JC - A União pagou apenas uma parte das compensações...
Mainardi - Nesse período, os estados foram ressarcidos em apenas 15,8% do valor devido. Até o final de 2019, o Estado acumula R$ 72 bilhões de perdas, dos quais R$ 18 bilhões são dos municípios. Esses dados são da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz).
JC - O STF decidiu, no final de 2016, que o Congresso Nacional deve aprovar uma lei para regulamentar os ressarcimentos da Lei Kandir, o que está tramitando até hoje no Parlamento...
Mainardi - Na sessão de 30 de novembro de 2016, o STF julgou uma ação do Pará e outros estados, inclusive o Rio Grande do Sul. Nessa ocasião, o Supremo decidiu que o Congresso Nacional deveria regulamentar a lei. Deu prazos, inclusive. Só que eles foram sendo postergados. O último prazo vence em 21 de fevereiro de 2020. O projeto de regulamentação que aguarda votação é o do senador Wellington Fagundes (PL-MT), que foi o relator da comissão especial para tratar da Lei Kandir no Congresso.
JC - O projeto propõe o pagamento anual, referente às perdas que acontecerem de agora em diante...
Mainardi - Ele propõe o pagamento de tal forma, que renderá R$ 3,96 bilhões ao Rio Grande do Sul por ano. Desse valor, R$ 2,97 bilhões ao Estado e R$ 990 milhões aos municípios. É esse o projeto que devemos lutar pela aprovação. Não é mito. Tem uma determinação do STF e um projeto tramitando.
JC - Além disso, ainda teria o pagamento do passivo da Lei Kandir...
Mainardi - O projeto do Senador Wellington diz que que, quanto ao passivo, seria pago ao longo de 30 anos. Isso significa que, em valores corrigidos, renderia R$ 2,4 bilhões ao ano. Isso somado ao que nos devem daqui para frente - R$ 3,96 bilhões por ano -, daria R$ 6,36 bilhões todos os anos. 
Comentários CORRIGIR TEXTO