Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 18h09min, 30/01/2020. Atualizada em 18h10min, 30/01/2020.

Coronavírus: governo brasileiro reativa grupo interministerial

O Ministério da Saúde coordenará os trabalhos

O Ministério da Saúde coordenará os trabalhos


PRAKASH MATHEMA/AFP/JC
Para acompanhar o avanço do coronavírus, o Palácio do Planalto informou nesta quinta-feira (30), que será recriado o Grupo Executivo Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional de Internacional (GEI-ESPII).
Para acompanhar o avanço do coronavírus, o Palácio do Planalto informou nesta quinta-feira (30), que será recriado o Grupo Executivo Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional de Internacional (GEI-ESPII).
O colegiado terá competência para "articulação de ação governamental e de assessoria", informou o Planalto em nota. A recriação do grupo será publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) nesta quinta (30).
O Ministério da Saúde informou na quarta-feira (29), que o órgão seria reativado. O colegiado foi criado em 2005 e ativado em ocasiões como de enfrentamento à pandemia de influenza e contra casos de microcefalia.
Segundo o Planalto, não há periodicidade para as reuniões e o colegiado se reunirá "conforme surgir a demanda". O Ministério da Saúde coordenará os trabalhos. Também compõe o grupo os ministérios da Casa Civil; Justiça e Segurança Pública; Defesa; Agricultura; Desenvolvimento Regional; Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Quando o grupo foi ativado no passado, estava entre as atribuições "solicitar e acompanhar a alocação dos recursos orçamentário-financeiros para atender e manter as medidas requeridas em caso de emergências em saúde pública". O Planalto não detalhou se o órgão terá a mesma função agora.
Comentários CORRIGIR TEXTO