Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

governo federal

- Publicada em 09h03min, 24/01/2020. Atualizada em 09h09min, 24/01/2020.

Bolsonaro diz que 'a chance no momento é zero' de dividir ministério de Moro

Declaração foi dada pelo presidente nesta sexta-feira, na Índia

Declaração foi dada pelo presidente nesta sexta-feira, na Índia


Prakash SINGH / AFP/ JC
O presidente Jair Bolsonaro descartou nesta sexta-feira (24) a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas. As declarações foram dadas em sua chegada a Nova Délhi, na Índia, para uma missão de quatro dias. "A chance no momento é zero, tá bom? Não sei amanhã, na política tudo muda, mas não há essa intenção de dividir", disse.
O presidente Jair Bolsonaro descartou nesta sexta-feira (24) a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas. As declarações foram dadas em sua chegada a Nova Délhi, na Índia, para uma missão de quatro dias. "A chance no momento é zero, tá bom? Não sei amanhã, na política tudo muda, mas não há essa intenção de dividir", disse.
O presidente negou ainda a existência de atritos com seus ministros. "Não existe qualquer atrito entre eu e o Moro, entre eu e o Guedes , eu e qualquer outro ministro", disse. "O governo está unido, sem problemas".
Na quarta (22), Bolsonaro recebeu de secretários estaduais de Segurança Pública cinco sugestões para políticas na área em uma reunião. De todas elas, ele anunciou publicamente apenas uma - a divisão do Ministério da Justiça, com a recriação da pasta da Segurança Pública.
A opção de destacar a demanda mais polêmica chamou atenção dos próprios secretários, que viram na iniciativa um endosso de Bolsonaro à proposta.
"O presidente anotou, disse que ia avaliar e no momento oportuno nos daria uma resposta sobre todos os pontos da pauta. O assunto principal não foi o ministério, foi a questão de recursos", disse o secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Teles Barbosa, presidente do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública (Consesp).
Comentários CORRIGIR TEXTO