Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Operação Lava Jato

- Publicada em 02h03min, 24/01/2020. Atualizada em 03h00min, 24/01/2020.

Coordenador da Lava Jato na PGR pede desligamento

O coordenador da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR), subprocurador José Adonis Callou de Araújo Sá, pediu o desligamento do cargo, segundo o Estadão/Broadcast Político apurou. O pedido de Adonis para sair da equipe não surpreendeu fontes da PGR ouvidas pela reportagem, mas o episódio representa um desgaste interno da gestão do procurador-geral da República, Augusto Aras.
O coordenador da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR), subprocurador José Adonis Callou de Araújo Sá, pediu o desligamento do cargo, segundo o Estadão/Broadcast Político apurou. O pedido de Adonis para sair da equipe não surpreendeu fontes da PGR ouvidas pela reportagem, mas o episódio representa um desgaste interno da gestão do procurador-geral da República, Augusto Aras.
Em outubro de 2019, Aras escolheu os sete membros do Ministério Público Federal (MPF) para compor o grupo de trabalho da Lava Jato. Entre as atribuições do grupo, que atua em casos da operação no Supremo Tribunal Federal (STF), estão participar de depoimentos, audiências, solicitar informações e documentos para embasar as investigações e participar das tratativas para celebração de acordos de colaboração premiada.
Segundo apurou a reportagem, o objetivo de Adonis é deixar Aras à vontade para fazer ajustes na equipe. Um integrante do MPF avalia que não há a independência prometida à equipe na análise dos casos da Lava Jato. De acordo com procuradores, Aras é "centralizador" e "bem liberal" em alguns processos.
Natural de Juazeiro do Norte (CE), Adonis já foi conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e é procurador da República desde 1992. Em parecer encaminhado ao STF no final do ano passado, defendeu a atuação dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba em processos que investigam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
Esta não é a primeira vez que o grupo de trabalho da Lava Jato na PGR sofre baixas. Em setembro do ano passado, a então procuradora-geral da República, Raquel Dodge, sofreu a maior baixa de sua gestão com a entrega coletiva de cargos entre os procuradores que investigam os casos da Operação Lava Jato.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO