Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

lava jato

- Publicada em 03h00min, 22/01/2020.

MPF denuncia Glenn por hackear autoridades

Glenn Greenwald não chegou a ser investigado pela PF

Glenn Greenwald não chegou a ser investigado pela PF


EVARISTO SA/AFP/JC

O Ministério Público Federal (MPF) em Brasília denunciou, nesta terça-feira, sete pessoas sob acusação de envolvimento no hackeamento de contas de Telegram de autoridades como o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba. Entre os denunciados está o jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, que recebeu os diálogos da Lava Jato e os publicou em uma série de reportagens, algumas em parceria com outros veículos.

O Ministério Público Federal (MPF) em Brasília denunciou, nesta terça-feira, sete pessoas sob acusação de envolvimento no hackeamento de contas de Telegram de autoridades como o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba. Entre os denunciados está o jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, que recebeu os diálogos da Lava Jato e os publicou em uma série de reportagens, algumas em parceria com outros veículos.

Greenwald não foi investigado nem indiciado pela Polícia Federal (PF), mas o procurador Wellington Oliveira entendeu que ficou demonstrado, em um áudio encontrado em um computador apreendido, que o jornalista orientou o grupo de hackers a apagar mensagens.

Isso, segundo o procurador, caracterizou "clara conduta de participação auxiliar no delito, buscando subverter a ideia de proteção a fonte jornalística em uma imunidade para orientação de criminosos".

De acordo com o Ministério Público, Greenwald não foi investigado pela PF em respeito a uma decisão cautelar do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. O Ministério Público informou que vai enviar cópia da denúncia à Procuradoria-Geral da República (PGR) para subsidiar eventual pedido de revogação da decisão que impede a realização de investigações sobre a atuação de Greenwald.

Os outros denunciados são Walter Delgatti Netto e Thiago Eliezer Martins Santos, que, segundo a acusação, atuavam como líderes do grupo; Danilo Cristiano Marques, suposto "testa de ferro" de Delgatti; Gustavo Henrique Elias Santos, que teria desenvolvido técnicas de invasão do Telegram; a mulher dele, Suelen Oliveira, acusada de agir como laranja; e Luiz Molição, que teria sido porta-voz do grupo nas conversas com Greenwald.

Os crimes imputados são os de organização criminosa, lavagem de dinheiro (exceto em relação a Greenwald) e interceptações telefônicas ilegais. Os advogados Rafael Borges e Rafael Fagundes, que representam Greenwald, emitiram uma nota sobre o caso. "Seu objetivo é depreciar o trabalho jornalístico de divulgação de mensagens realizado pela equipe do The Intercept Brasil em parceria com outros veículos da mídia nacional e estrangeira. Os advogados de Glenn Greenwald preparam a medida judicial cabível e pedirão que a Associação Brasileira de Imprensa, por sua importância e representatividade, cerre fileiras em defesa do jornalista agredido."

Em nota à Folha de S.Paulo, Greenwald afirmou que a denúncia "é uma tentativa óbvia de atacar a imprensa livre em retaliação pelas revelações que relatamos sobre o ministro Moro e o governo Bolsonaro". A reportagem ainda não obteve manifestações das defesas dos demais denunciados.

Procurador é o mesmo que denunciou o presidente da OAB

O procurador da República Wellington Divino Marques de Oliveira, que denunciou o jornalista Glenn Greenwald e outras seis pessoas sob acusação de hackear telefones de autoridades ligadas às investigações da Lava Jato, é o mesmo que denunciou o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, por calúnia contra o Ministro da Justiça, Sérgio Moro. A apuração é da Folha de S.Paulo.

Em julho, Santa Cruz disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que o ministro "banca o chefe da quadrilha ao dizer que sabe das conversas de autoridades que não são investigadas". Na semana passada, a Justiça rejeitou a denúncia do MPF contra Santa Cruz.

Comentários CORRIGIR TEXTO