Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

operação Lava Jato

- Publicada em 03h00min, 22/01/2020.

Moro chama mensagens vazadas do Telegram de 'bobageirada'

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, disse, na segunda-feira à noite (20), em entrevista ao Roda Viva, considerar uma "bobageirada" a publicação de reportagens sobre conversas suas no aplicativo Telegram e criticou declaração do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes a respeito da divulgação de áudio de telefonema entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) em 2016.
O ministro da Justiça, Sérgio Moro, disse, na segunda-feira à noite (20), em entrevista ao Roda Viva, considerar uma "bobageirada" a publicação de reportagens sobre conversas suas no aplicativo Telegram e criticou declaração do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes a respeito da divulgação de áudio de telefonema entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) em 2016.
Desde junho passado, o site The Intercept Brasil e outros veículos têm publicado uma série de reportagens com mensagens de autoridades da Lava Jato que mostram que havia colaboração entre Moro e o chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol. As conversas apontam, por exemplo, que o então juiz orientou a respeito da ordem de fases da operação, indicou uma prova para uma denúncia do Ministério Público e sugeriu uma testemunha.
Na entrevista ao Roda Viva, Moro disse que o tema é "um episódio menor" em seu primeiro ano no governo federal. "Sinceramente, nunca dei muita importância para isso. Acho que ali tem um monte de bobageirada, nunca entendi muito bem a importância (dada) para aquilo. Agora, foi usado politicamente para tentar, vamos dizer assim, soltar criminosos presos, pessoas que tinham sido condenadas por corrupção e, principalmente, tentar enfraquecer politicamente o Ministério da Justiça."
Moro foi questionado também sobre sua decisão, na época em que era o juiz responsável pela Lava Jato, de tirar o sigilo de conversas telefônicas entre Lula e Dilma em março de 2016, em uma iniciativa que acabou aumentando a pressão pelo impeachment da então presidente.
Após aquela medida de Moro, Gilmar Mendes concedeu uma liminar suspendendo a nomeação de Lula para a Casa Civil do governo, diante da suspeita de obstrução de Justiça. Em entrevista no ano passado, Gilmar afirmou que, hoje, tem "muitas dúvidas" sobre o assunto. "Muito mais dúvidas do que certeza e lamento muito esse tipo de manipulação."
Moro defendeu sua medida na ocasião, mas disse que é atribuída ao áudio uma importância que não existe. "É muito fácil (afirmar): '2016, ah, não tenho culpa nenhuma, fui manipulado'. Não existe nada disso. Ele (Gilmar) tomou a decisão dele na época, ele assuma a responsabilidade pela decisão que ele tomou. Nada ali foi objeto de manipulação."
Comentários CORRIGIR TEXTO