Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

pacote do governo

- Publicada em 03h00min, 21/01/2020.

Governo Leite define, nesta terça-feira, projetos que vão a votação extraordinária

Palácio Piratini fará convocação extraordinária do Legislativo para período de 27 e 31 de janeiro

Palácio Piratini fará convocação extraordinária do Legislativo para período de 27 e 31 de janeiro


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Marcus Meneghetti
O governo decide, nesta terça-feira (21), quais os projetos do pacote do funcionalismo serão apreciados durante a convocação extraordinária, prevista para acontecer entre os dias 27 e 31 de janeiro.
O governo decide, nesta terça-feira (21), quais os projetos do pacote do funcionalismo serão apreciados durante a convocação extraordinária, prevista para acontecer entre os dias 27 e 31 de janeiro.
O governador deve convocar a Assembleia Legislativa até quarta-feira (22), pois é necessário que aconteça dois dias úteis antes da sessão extraordinária. Leite está cumprindo agenda em São Paulo e deve retornar na noite desta terça (21) ao Rio Grande do Sul.
Enquanto isso, o líder do governo na Assembleia Legislativa, Frederico Antunes (PP), e o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian (PP), têm discutido com os parlamentares governistas quais os projetos com maior resistência e quais as modificações necessárias para que sejam aprovados. Nesta terça (21), devem apresentar ao governador o resultado das duas semanadas de reuniões com os aliados.
Os dois projetos que têm gerado mais controvérsias entre a base aliada são o que reformula a carreira do magistério e o que modifica as alíquotas previdenciárias dos servidores públicos militares.
O projeto do magistério já está na sua terceira versão. A última modificação do texto incorpora o reajuste de 12,84% do piso nacional. A relação mantém os mesmos índices de dispersão e garante que não haja necessidade de um completivo para atingir o piso determinado por lei.
A proposta anterior, apresentada no início de dezembro do ano passado, antes do reajuste nacional, ampliava a variação de 7% para 30% nos níveis de formação, de 52% para 75% ao final da carreira e desmembrava as habilitações de mestrado e doutorado. Assim, o subsídio de nível 1 passaria para R$ 2.886,22, enquanto o último nível da carreira (6F) subiria para R$ 5.049,56.
Agora, com a nova tabela somando o reajuste de 12,84%, um professor com graduação poderá receber R$ 3.030,53. O mesmo se aplicaria aos profissionais com especialização, que teriam aumento para R$ 3.174,84, e aos que possuem doutorado, que ganhariam R$ 3.752,09.
Quanto ao projeto dos militares, a maior bancada governista - a do MDB, que conta com oito parlamentares - a considera inconstitucional. "Desde o ano passado, temos defendido junto ao governo a inconstitucionalidade do projeto (que modifica as alíquotas dos militares), tendo em vista que a lei federal (da reforma da Previdência dos militares) já legislou sobre as alíquotas. Continuamos com essa posição. A lei federal determinou a contribuição dos militares (de 7,5 a 10,5%)", analisou Fábio Branco, em entrevista ao Jornal do Comércio.
Comentários CORRIGIR TEXTO