Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

partidos

- Publicada em 03h00min, 20/01/2020.

Bolsonaro é atacado por oposição e aliados após sancionar fundo eleitoral

Sob ataques por ter sancionado um fundo eleitoral de R$ 2 bilhões, o presidente Jair Bolsonaro chamou de "falsa direita" quem o critica pela iniciativa e disse neste sábado (18) que atrapalharia a democracia se vetasse a medida. Em evento de mobilização do Aliança pelo Brasil, partido que pretende viabilizar, ele afirmou que é escravo da legislação.
Sob ataques por ter sancionado um fundo eleitoral de R$ 2 bilhões, o presidente Jair Bolsonaro chamou de "falsa direita" quem o critica pela iniciativa e disse neste sábado (18) que atrapalharia a democracia se vetasse a medida. Em evento de mobilização do Aliança pelo Brasil, partido que pretende viabilizar, ele afirmou que é escravo da legislação.
"A esquerda bater tudo bem. A falsa direita e os isentões já caem de pau. 'Ele deveria vetar esse fundão'. Eu tenho de cumprir a lei", disse. "Nós somos escravos da lei. Eu estaria atrapalhando a democracia e o cumprimento da lei eleitoral com o veto", acrescentou.
Em discurso a entusiastas da nova sigla, o presidente disse que teria argumentos para vetar um fundo eleitoral de R$ 3,8 bilhões, mas que o valor de R$ 2 bilhões é uma proposta da Justiça Eleitoral e que ele poderia correr o risco de ser condenado por crime de responsabilidade caso não sancionasse.
"Se fosse R$ 3,8 bilhões, eu ia vetar. Interesse público e tinha argumento para isso. Mas aprovou R$ 2 bilhões. A proposta veio do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), não foi minha. Aí vem alguns coleguinhas eleitos do PSL falar abobrinha", afirmou.
Ele disse ainda que o Brasil não se resume a ele e que é necessário respeitar o Legislativo e o Judiciário. O presidente reclamou ainda que tem sofrido muitas críticas nas redes sociais e disse que não pode fazer nada caso alguns eleitores bolsonaristas deixem de votar nele por causa da sanção do montante.
Na noite de sexta-feira (17) o ministro-chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, informou que foi sancionada integralmente a Lei Orçamentária Anual, incluindo os recursos para o fundão eleitoral.
"Quem perde são os 100 milhões de brasileiros sem esgoto e crianças sem acesso a educação. Votei nele no segundo turno esperando algo diferente. Não votei nele pra aprovar esse absurdo", disse o deputado Vinicius Poit (Novo-SP).
Para o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), ex-aliado e atual desafeto do presidente, Bolsonaro teria se aproveitado do intenso noticiário sobre o governo para autorizar o fundão. A informação da sanção foi divulgada na sexta-feira (17) por volta das 23h. "Ele aproveitou a confusão da Secom que é verdade, aproveitou a confusão do (Roberto) Alvim (demitido da Cultura após vídeo com referências nazistas) e sancionou o fundão eleitoral. Não tem coragem para agir no cara a cara faz na calada da noite", disse.
Na manhã de sábado (18), o tema "Bolsonaro traidor" estava entre os mais comentados no Twitter no Brasil. As críticas também partiram de opositores. "Mamata acima de tudo! Bolsonaro sancionou o indecente fundão que custará R$ 2 bilhões ao povo! O mesmo povo que, graças ao governo, está pagando mais caro na cesta básica com um salário mínimo abaixo da inflação", disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).
 
Comentários CORRIGIR TEXTO