Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo federal

Alterada em 17/01 às 10h54min

Planalto diz que não se manifestará sobre fala do secretário da Cultura

Rodrigo Maia pediu o afastamento de Alvim

Rodrigo Maia pediu o afastamento de Alvim


PABLO VALADARES/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O Palácio do Planalto afirmou nesta sexta-feira (17), em nota, que não vai se manifestar sobre a fala do secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, cujo discurso apresentou frase quase idêntica à do ideólogo nazista Joseph Goebbels e que foi divulgada em um vídeo em canais oficiais do governo. Em nota, a assessoria de imprensa do Planalto afirmou que o secretário "já se manifestou oficialmente".
O Palácio do Planalto afirmou nesta sexta-feira (17), em nota, que não vai se manifestar sobre a fala do secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, cujo discurso apresentou frase quase idêntica à do ideólogo nazista Joseph Goebbels e que foi divulgada em um vídeo em canais oficiais do governo. Em nota, a assessoria de imprensa do Planalto afirmou que o secretário "já se manifestou oficialmente".
Após ser criticado por fazer referência a um discurso nazista para divulgar uma ação da Secretaria Especial da Cultura, Alvim afirmou em uma rede social que houve uma "coincidência retórica", mas insistiu que "a frase em si é perfeita" e que "não há nada de errado com a frase".
Segundo o secretário, "todo o discurso foi baseado num ideal nacionalista para a Arte brasileira". "Houve uma coincidência com UMA frase de um discurso de Goebbles (sic)... não o citei e JAMAIS o faria. Foi, como eu disse, uma coincidência retórica. Mas a frase em si é perfeita: heroísmo e aspirações do povo é o que queremos ver na Arte nacional", diz o texto.
A fala de Alvim gerou repercussão negativa na política e em redes sociais. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu que o governo de Jair Bolsonaro afaste o secretário da Cultura.
Na quinta-feira, 16, pouco antes da divulgação do vídeo, Alvim participou de uma transmissão ao vivo nas redes sociais ao lado do presidente Jair Bolsonaro justamente para anunciar o Prêmio Nacional das Artes.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia