Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

14/01/2020 - 14h31min. Alterada em 14/01 às 15h11min

Assembleia vai decidir sobre continuidade da greve dos professores

Expectativa é que entre dois mil a três mil servidores compareçam à plenária

Expectativa é que entre dois mil a três mil servidores compareçam à plenária


ALEXANDRO AULER/JC
Fernanda Soprana
Os professores da rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul estão reunidos desde o início da tarde desta terça-feira (14) para decidir o futuro da greve desencadeada em 18 de novembro de 2019. A assembleia convocada pelo Cpers/Sindicato ocorre no pátio do Colégio Cândido José de Godói, na avenida França, 400.
Os professores da rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul estão reunidos desde o início da tarde desta terça-feira (14) para decidir o futuro da greve desencadeada em 18 de novembro de 2019. A assembleia convocada pelo Cpers/Sindicato ocorre no pátio do Colégio Cândido José de Godói, na avenida França, 400.
De acordo com a presidente do Cpers, Helenir Schürer, será decidido nesta tarde continuidade ou suspensão da greve do magistério. "O conselho-geral está trazendo a proposta de suspensão e, caso o governo chame a sessão extraordinária, retomada da mobilização no dia 27 de janeiro", explica. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
O posicionamento dos servidores da assembleia é bem dividido. A diretora do 31º núcleo do Cpers em Ijuí, Teresinha Mello, diz que "em respeito aos colegas que estão em greve desde o início, é necessário que haja a suspensão. Assim temos um fôlego e voltamos quando o pacote entrar em votação". 
Para a professora pelotense Maria Sedrilha Barboza, a suspensão não é uma opção. "Trabalhar para o governo sem receber é sinal de que o governo não está preocupado nem com o aluno, nem com os professores e nem com os pais", afirma.
Devido ao forte calor, o carro de som foi substituído por uma estrutura com sombra para a apresentação dos representantes do sindicato. A equipe do Cpers montou estruturas cobertas e distribuiu água aos participantes da assembleia. A expectativa é que entre dois mil a três mil servidores compareçam à plenária.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia