Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

lava jato

Edição impressa de 26/11/2019. Alterada em 26/11 às 03h00min

Fachin mantém julgamento de Lula amanhã

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido de liminar da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para suspender o julgamento que pode anular a sentença do sítio de Atibaia - na qual o petista foi condenado a 12 anos e 11 meses de prisão. A partir das 9h desta quarta-feira (27), os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região apreciarão o mérito da apelação, mas antes abordarão questões preliminares, entre elas a das alegações finais. A decisão foi publicada na segunda-feira (25).
O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido de liminar da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para suspender o julgamento que pode anular a sentença do sítio de Atibaia - na qual o petista foi condenado a 12 anos e 11 meses de prisão. A partir das 9h desta quarta-feira (27), os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região apreciarão o mérito da apelação, mas antes abordarão questões preliminares, entre elas a das alegações finais. A decisão foi publicada na segunda-feira (25).
 O julgamento chegou a ser suspenso, foi remarcado, e depois mantido pelo desembargador convocado do Superior Tribunal de Justiça, Leopoldo Arruda. O tema tem relação com o recente entendimento do STF de que os réus delatados devem falar depois dos delatores. Caso os desembargadores entendam que a ação do sítio de Atibaia teve o mesmo andamento da de Aldemir Bendine - ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras que teve sua sentença anulada pelo STF -, a sentença será anulada e o processo voltará para a fase das alegações finais em primeira instância.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia