Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de novembro de 2019.
Dia do Supermercado. Dia Internacional da Qualidade.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Edição impressa de 12/11/2019. Alterada em 12/11 às 03h00min

Juíza manda tirar tornozeleiras de Delúbio e Vaccari

Condenados na Lava Jato e atualmente em regime semiaberto, os ex-tesoureiros do PT João Vaccari Neto e Delúbio Soares obtiveram, nesta segunda-feira (11), a revogação da execução de suas penas. A decisão, da juíza Ana Carolina Bartolamei Ramos, da 1ª Vara de Execução Penal de Curitiba, segue entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que barra cumprimento da pena logo após condenação em segunda instância. Com isso, tanto Vaccari quanto Delúbio não precisam mais cumprir medidas cautelares, como a restrição de não sair de Curitiba. A magistrada deu cinco dias para ambos retirarem a tornozeleira eletrônica.
Condenados na Lava Jato e atualmente em regime semiaberto, os ex-tesoureiros do PT João Vaccari Neto e Delúbio Soares obtiveram, nesta segunda-feira (11), a revogação da execução de suas penas. A decisão, da juíza Ana Carolina Bartolamei Ramos, da 1ª Vara de Execução Penal de Curitiba, segue entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que barra cumprimento da pena logo após condenação em segunda instância. Com isso, tanto Vaccari quanto Delúbio não precisam mais cumprir medidas cautelares, como a restrição de não sair de Curitiba. A magistrada deu cinco dias para ambos retirarem a tornozeleira eletrônica.
Vaccari foi preso em abril de 2015, em uma das fases da Lava Jato. Quando deixou a prisão, em setembro, ele estava no Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. O ex-tesoureiro cumpria o semiaberto na casa de um tio, com tornozeleira. Deixava o local para trabalhar como assessor da CUT no Paraná. Delúbio também foi transferido para o semiaberto em março. Na quinta-feira, o STF decidiu, por 6 votos a 5, que um condenado só pode ser preso após o trânsito em julgado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia