Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 13 de outubro de 2019.
Dia do fisioterapeuta e do terapeuta ocupacional.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2020

Alterada em 13/10 às 21h10min

Haddad é cético sobre frente de esquerda em disputas como São Paulo

Ato na avenida Paulista defendeu a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Ato na avenida Paulista defendeu a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva


PAULO PINTO/FOTOS PÚBLICAS/JC
Candidato derrotado do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito Fernando Haddad foi a principal liderança da esquerda em ato realizado neste domingo (13), na avenida Paulista, em defesa da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Candidato derrotado do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito Fernando Haddad foi a principal liderança da esquerda em ato realizado neste domingo (13), na avenida Paulista, em defesa da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Após discursar no pequeno palanque instalado na esquina da Avenida Paulista com a Alameda Ministro Rocha Azevedo, Haddad. O ex-prefeito se mostrou cético em relação à formação de uma frente única de esquerda na disputa pela prefeitura de São Paulo ano que vem.
"Não tem hipótese de ser cada um por si em 2020, mas cada cidade é uma situação diferente. São Paulo é uma cidade à parte. Tem um peso muito simbólico para o PT, que já governou a capital três vezes". "Sempre é possível estarmos juntos. Os riscos são muito grandes. Bolsonaro ameaça a democracia", acrescentou.
Também presente ao ato, o ex-presidenciável Guilherme Boulos, do PSOL, disse que o maior erro que a esquerda pode cometer nesse momento é "jogar 2019 com a cabeça em 2022". O PT e o PSB abriram tratativas sobre uma possível aliança em torno do nome de Márcio França, mas cinco nomes petistas já se apresentaram como pré-candidatos.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia