Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de outubro de 2019.
Dia do Nordestino e dia Nacional do Combate a Cartéis.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Vereadores

08/10/2019 - 18h21min. Alterada em 08/10 às 19h42min

Polícia prende mais três suspeitos em investigação envolvendo Carús

Carús teve prisão decretada por ser alvo de investigação sobre crime contra a administração pública

Carús teve prisão decretada por ser alvo de investigação sobre crime contra a administração pública


LUIZA PRADO/JC
Lourenço Marchesan
Na esteira da investigação que provocou a prisão do líder do MDB na Câmara de Vereadores de Porto Alegre André Carús acusado de prática de crime contra administração pública, a Polícia Civil gaúcha cumpriu mais  três mandados de prisão temporária nesta terça-feira (8) na Capital. Os suspeitos fazem parte da diretoria da instituição financeira Municred, que era usada para concessão dos empréstimos aos servidores públicos. Os nomes dos envolvidos ainda não foram divulgados. 
Na esteira da investigação que provocou a prisão do líder do MDB na Câmara de Vereadores de Porto Alegre André Carús acusado de prática de crime contra administração pública, a Polícia Civil gaúcha cumpriu mais  três mandados de prisão temporária nesta terça-feira (8) na Capital. Os suspeitos fazem parte da diretoria da instituição financeira Municred, que era usada para concessão dos empréstimos aos servidores públicos. Os nomes dos envolvidos ainda não foram divulgados. 
Com prisão temporária que vence nesta quinta-feira (10), Carús segue em uma cela da Cadeia Pública, ex-Presídio Central. Dependendo do andamento das investigações, o emedebista poderá ter a manutenção da prisão requerida pela autoridade, mas desta vez tem de ser preventiva, pois não há possibilidade de renovar a temporária. O delegado responsável pela investigação, Marcus Vinicius da Silva, informou que não tem previsão ainda sobre a conclusão do inquérito.
As três prisões decretadas nesta terça têm prazo de cinco dias, até domingo (13). As primeiras prisões foram no dia 1º, incluindo a do vereador, que se licenciou do mandato após o caso vir à tona. No pedido, ele alegou que se afastaria para tratar de assuntos pessoais. Delegado Cleiton (PDT) assumiu a vaga na Câmara. Outros dois servidores diretamente ligados a Carús, cujos nomes não foram revelados, também foram presos. 
A ação deflagrada pela Polícia Civil foi batizada de Operação Argentários. Os agentes fizeram buscas em dez endereços, entre eles o apartamento do parlamentar, localizado no bairro Santo Antônio. Também houve buscas na instituição financeira envolvida no caso, nos Departamento de Habitação (Demhab) e de Água e esgoto (Dmae), na Câmara de Vereadores e em seis residências de investigados. 
A investigação apura a prática de servidores ligados ao vereador licenciado na retirada de empréstimos consignados sob pretexto de tratar problemas de saúde. Os funcionários faziam a contratação além do permitido pela lei, segundo a Polícia. Nesta terça, foi publicado no Diário Oficial da Câmara abertura de sindicância para apurar a retirada de empréstimos vinculados a licenças de saúde por servidores da Casa.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia