Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições

- Publicada em 03h08min, 03/10/2019. Atualizada em 03h00min, 03/10/2019.

Senado aprova teto de gastos para pleito de 2020

Texto prevê limitação para autofinanciamento de campanhas eleitorais

Texto prevê limitação para autofinanciamento de campanhas eleitorais


/WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO/JC
O Senado aprovou, nesta quarta-feira (2), um projeto de lei que estabelece um teto de gastos para as campanhas políticas nas eleições municipais do ano que vem.
O Senado aprovou, nesta quarta-feira (2), um projeto de lei que estabelece um teto de gastos para as campanhas políticas nas eleições municipais do ano que vem.
Os senadores chancelaram um texto votado na terça-feira (1), na Câmara dos Deputados, que determina que os candidatos não podem gastar mais do que o limite legal - que varia de acordo com o número de eleitores dos municípios - em vigor para o pleito de 2016, corrigido pela inflação.
A limitação para as disputas de segundo turno, quando houver, foi definida em 40% do teto da primeira etapa do pleito.
Os parlamentares aceleraram a tramitação da matéria para aprová-la nas duas casas a tempo de o presidente Jair Bolsonaro (PSL) sancioná-la até sexta-feira, prazo final para que as modificações eleitorais realizadas possam entrar em vigor no pleito de 2020.
Em São Paulo, o valor máximo da campanha permitido para prefeito, em 2016, foi de R$ 45,4 milhões. Com a correção inflacionária dada pelo projeto, o valor deve ultrapassar R$ 50 milhões. O eleito naquele pleito, João Doria (PSDB), declarou ter gasto R$ 13,6 milhões. Já para vereador, o teto legal na capital paulista, em 2016, foi de R$ 3,2 milhões. O texto aprovado prevê, ainda, um limite para que candidatos possam financiar suas próprias campanhas. Essa medida visa corrigir distorção que tem dado enorme vantagem a candidatos ricos sobre os demais.
Desde que as empresas foram proibidas de fazer doações eleitorais, em 2015, o financiamento dos candidatos sai dos cofres públicos (fundos que distribuirão, pelo menos, R$ 2,7 bilhões em 2020), de doações de pessoas físicas e do bolso dos próprios candidatos.
Os senadores tentaram votar, na noite de terça-feira, uma proposta sobre o tema, mas discussões entre parlamentares fizeram com que o presidente da casa, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), adiasse a votação para esta quarta-feira. A preocupação era que o impasse prejudicasse a análise da reforma da Previdência, que teve seu texto-base aprovado na noite de terça-feira. Como, nesse período, os deputados avalizaram uma proposta sobre os limites de gastos nas eleições, os senadores apenas chancelaram rapidamente o texto da Câmara e o enviaram para sanção presidencial.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO