Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Memória

- Publicada em 03h00min, 23/09/2019. Atualizada em 03h00min, 23/09/2019.

Familiares e amigos se despedem do empresário Renato Ribeiro

Antigo proprietário do Grupo Caldas Júnior, Ribeiro morreu aos 75 anos

Antigo proprietário do Grupo Caldas Júnior, Ribeiro morreu aos 75 anos


ANTÔNIO SOBRAL/CORREIO DO POVO/DIVULGAÇÃO/JC
O economista e empresário Renato Ribeiro foi sepultado neste sábado (21) à tarde, no cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre. O antigo proprietário do Grupo Caldas Júnior faleceu na manhã de sexta-feira (20). Ele havia sofrido um infarto em 2017, ficando meses hospitalizado.
O economista e empresário Renato Ribeiro foi sepultado neste sábado (21) à tarde, no cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre. O antigo proprietário do Grupo Caldas Júnior faleceu na manhã de sexta-feira (20). Ele havia sofrido um infarto em 2017, ficando meses hospitalizado.
Desde então, realizava tratamento domiciliar. A morte se deu por causas naturais. O ex-proprietário do jornal Correio do Povo, da Rádio Guaíba e da extinta TV Guaíba estava com 75 anos.
Empreendedor do ramo da soja, Renato foi proprietário das três empresas jornalísticas até fevereiro de 2007, quando foram vendidas ao Grupo Record. Ele liderou a reabertura do Correio do Povo nos anos 1980, visto que o jornal passou por severas dificuldades financeiras, inclusive, sem circular por dois anos. Sob a gestão dele, o impresso adotou o formato tabloide.
Em nota,  o presidente da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), Luiz Adolfo Lino de Souza, disse que "o empresário Renato Ribeiro, em 1986, ao adquirir a Caldas Júnior, sabia da importância do Correio do Povo, Rádio e TV Guaíba para o Estado e reconstruiu com dedicação o grupo de mídia, gerando empregos e implantando tecnologia capaz de manter vivo um patrimônio do jornalismo gaúcho por 21 anos, depois de severa crise, até a transferência do controle em 2007 para o Grupo Record." 
Além da esposa, Lisete Woida Ribeiro, deixa também os filhos, Aluizio, Carla, Rogério e Márcia, e 10 netos.
Comentários CORRIGIR TEXTO