Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Operação Lava Jato

- Publicada em 03h00min, 16/09/2019. Atualizada em 03h00min, 16/09/2019.

Gebran, do TRF-4, manda soltar filho de Edison Lobão e impõe fiança de R$ 5 milhões

Preso desde a terça-feira passada (10) na Operação Lava Jato, o empresário Márcio Lobão, filho do ex-senador Edison Lobão (MDB-MA), conseguiu habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) para deixar a prisão.
Preso desde a terça-feira passada (10) na Operação Lava Jato, o empresário Márcio Lobão, filho do ex-senador Edison Lobão (MDB-MA), conseguiu habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) para deixar a prisão.
Ordem do juiz João Pedro Gebran Neto, relator de casos da Operação Lava Jato na corte, determina que a detenção preventiva seja substituída por medidas cautelares, como a entrega do passaporte e proibição de contato com outros investigados.
O empresário deverá também pagar fiança de R$ 5 milhões. A ordem foi expedida na noite desta sexta-feira (13), e o alvará de soltura, na manhã deste sábado (14).
Lobão tinha sido detido preventivamente por ordem da juíza Gabriela Hardt, de Curitiba, na 65ª fase da Lava Jato. Ele é suspeito de operar propinas pagas em contratos públicas pela Odebrecht e pelo grupo Estre a Edison Lobão, que foi também ministro de Minas e Energia em duas ocasiões.
O Ministério Público Federal diz que repasses em espécie foram recebidos no escritório da esposa de Márcio Lobão, no Rio de Janeiro. Também levantou suspeitas sobre a aquisição e posterior venda de obras de arte com valores sobrevalorizados, e sobre a movimentação financeira em uma conta bancária na Suíça.
Entre os empreendimentos públicos investigados, estão a usina de Belo Monte (PA) e a reparação de dutos da estatal Transpetro pelo país.
Para Gebran, as medidas alternativas são suficientes para que crimes não voltem a ser cometidos e para evitar que a investigação seja prejudicada.
A defesa havia argumentado que os fatos investigados são relativos a um período de 2008 a 2014, sem desdobramentos atuais.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO