Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Ministério Público

- Publicada em 03h04min, 11/09/2019. Atualizada em 03h00min, 11/09/2019.

CNMP não afasta Dallagnol e adia processo disciplinar

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) negou, nesta terça-feira (10), o afastamento cautelar do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Força-Tarefa da Lava Jato em Curitiba, por suposta atividade político-partidária ao se manifestar contra a eleição do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a presidência da Casa. O pedido foi indeferido por unanimidade, com apoio dos 12 conselheiros presentes. O plenário também adiou a análise sobre a abertura de um processo para analisar o caso, após um pedido de vista.
O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) negou, nesta terça-feira (10), o afastamento cautelar do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Força-Tarefa da Lava Jato em Curitiba, por suposta atividade político-partidária ao se manifestar contra a eleição do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a presidência da Casa. O pedido foi indeferido por unanimidade, com apoio dos 12 conselheiros presentes. O plenário também adiou a análise sobre a abertura de um processo para analisar o caso, após um pedido de vista.
Relator do caso, o corregedor nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, votou a favor da abertura do Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e contra a suspensão do procurador. O conselheiro Fábio Stica, que se manifestou em seguida, dividiu a votação: pediu vista a respeito da instauração do PAD, mas acompanhou o relator na posição contrária ao afastamento.
Os conselheiros analisam no momento a admissibilidade do processo administrativo. O senador apresentou uma reclamação contra Dallagnol em função de postagens no Twitter quando ele disputava a presidência da Casa com o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que foi eleito. Na ocasião, o procurador escreveu que, caso Renan fosse eleito, "dificilmente veremos reforma contra corrupção aprovada". O senador foi ao CNMP alegando que Dallagnol interferiu na eleição e praticou "atividade político-partidária", o que é vedado a membros do Ministério Público.
Rochadel considerou que as declarações não poderiam ser enquadradas como atividade político-partidária, o que poderia levar à suspensão, mas acrescentou que as declarações foram "indevidas" por tratarem de "matéria alheia às suas atribuições".
"Não configura atividade politico-partidária a crítica pública de membro do Ministério Público, mas, ao se manifestar sobre processo eletivo para descredenciar o reclamante (Renan), comprometeu a imagem dos demais membros do Ministério Público", disse o corregedor.
Presidente do Conselho, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que há "carência de possibilidade legal de afastamento cautelar" de Dallagnol. Os advogados do procurador defenderam que a instauração do processo já fosse negada na sessão desta terça-feira, o que não foi acatado.
Ainda estão na pauta da sessão do CNMP o julgamento de um processo contra Dallagnol aberto a pedido do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, e um pedido de punição apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
 
Comentários CORRIGIR TEXTO