Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

governo federal

- Publicada em 12h02min, 09/09/2019. Atualizada em 12h02min, 09/09/2019.

Brasil fica comprometido por redução global da atividade, diz Mourão

Presidente em exercício, Mourão afirmou que o Brasil busca diversificar exportações à China

Presidente em exercício, Mourão afirmou que o Brasil busca diversificar exportações à China


MARIANA CARLESSO/JC
O presidente em exercício Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira (9) que o mundo acompanha com "apreensão" a escalada das barreiras tarifárias e o aumento do risco de recessão global pelo conflito entre a China e os Estados Unidos. Durante cerimônia de 15 anos do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), ele disse que qualquer ganho de curto prazo que o Brasil está tendo com o conflito pode ficar comprometido com a desaceleração global.
O presidente em exercício Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira (9) que o mundo acompanha com "apreensão" a escalada das barreiras tarifárias e o aumento do risco de recessão global pelo conflito entre a China e os Estados Unidos. Durante cerimônia de 15 anos do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), ele disse que qualquer ganho de curto prazo que o Brasil está tendo com o conflito pode ficar comprometido com a desaceleração global.
"Sabemos que ganhos de curto prazo para o Brasil, como a demanda por soja, podem ficar comprometidos pela redução global da atividade econômica", afirmou Mourão.
Ele disse que o Brasil quer diversificar as exportações à China. Segundo Mourão, ir além das vendas de produtos de baixo valor agregado - como soja e minério - é um "desafio persistente" do País. "O colosso asiático não deve ser visto apenas como destino fácil para exportação de commodities. A China amplia e diversifica sua presença política e econômica no exterior, apresentando-se como protagonista", comentou.
Segundo ele, o Brasil tem tentando criar o "ambiente político propício" e um clima de confiança para diversificar as exportações à China. O presidente disse ainda que a guinada no consumo interno chinês, bem como a disposição da China em fazer investimentos em infraestrutura no exterior, são oportunidades para o Brasil.
O Ministério da Agricultura brasileiro recebeu nesta segunda comunicação oficial da Administração Geral da Aduana da China (GACC) sobre a habilitação de 25 novos frigoríficos de carne - 17 de bovinos, seis de frango, uma de suínos e uma de asininos. Com isso, o País, que antes tinha 64 plantas habilitadas a exportar para o gigante asiático, passa a ter 89.
Comentários CORRIGIR TEXTO