Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Congresso Nacional

- Publicada em 03h01min, 09/09/2019. Atualizada em 03h00min, 09/09/2019.

CPI das Fake News quer ouvirrepresentantes de redes sociais

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News se reúne nesta terça-feira (10), às 14h30min, para votar seus primeiros requerimentos. Entre eles estão a convocação dos representantes legais no Brasil do Whatsapp, Google, Instagram, Youtube, Twitter e Telegram empresas responsáveis por redes sociais, meios de distribuição de notícias entre a população, além dos responsáveis pelo site noticioso The Intercept Brasil.
A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News se reúne nesta terça-feira (10), às 14h30min, para votar seus primeiros requerimentos. Entre eles estão a convocação dos representantes legais no Brasil do Whatsapp, Google, Instagram, Youtube, Twitter e Telegram empresas responsáveis por redes sociais, meios de distribuição de notícias entre a população, além dos responsáveis pelo site noticioso The Intercept Brasil.
"Em busca de informações que elucidem fatos sobre o objeto determinado pela CPMI, é imprescindível contar com aquelas advindas de pessoas que ocupam funções importantes nas empresas que, por sua posição dentro do fluxo comunicacional, podem conter elementos que colaborem com as investigações", explicou a deputada Luiziane Lins (PT-CE), autora dos requerimentos na comissão mista.
Também há pedido para que seja ouvida a professora universitária e blogueira feminista Lola Aronovich, alvo de uma campanha cibernética difamatória e perseguição física no Ceará.
A CPI das Fake News vai investigar a criação de perfis falsos e ataques cibernéticos nas diversas redes sociais, com possível influência no processo eleitoral e debate público. A prática de cyberbullying contra autoridades e cidadãos vulneráveis também será investigada pelo colegiado, assim como o aliciamento de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.
A comissão parlamentar de inquérito é presidida pelo senador Ângelo Coronel (PSD-BA) e tem como relatora a deputada Lídice da Mata (PSB-BA).
As informações são da Agência Senado.
Comentários CORRIGIR TEXTO