Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Operação Lava Jato

- Publicada em 03h05min, 09/09/2019. Atualizada em 03h00min, 09/09/2019.

Defesa de Lula reage a divulgação denovas mensagens de procuradores

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que as conversas reveladas em reportagem do jornal Folha de S.Paulo divulgadas neste domingo (8), em parceria com o The Intercept Brasil, expõem "grosseiras ilegalidades praticadas pelo ex-juiz Sergio Moro e pelos procuradores da Lava Jato".
A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse que as conversas reveladas em reportagem do jornal Folha de S.Paulo divulgadas neste domingo (8), em parceria com o The Intercept Brasil, expõem "grosseiras ilegalidades praticadas pelo ex-juiz Sergio Moro e pelos procuradores da Lava Jato".
A nota da defesa, repercutida em perfil do ex-presidente no Twitter, afirma que "o ex-juiz Sérgio Moro, os procuradores e o delegado da Lava Jato de Curitiba selecionaram conversas telefônicas mantidas por Lula, escondendo dos autos e do STF aquelas que mostravam a verdade dos fatos".
A reportagem mostra que conversas de Lula gravadas pela PF em 2016 e mantidas em sigilo desde então enfraquecem a tese de Moro para justificar a decisão mais controversa que tomou como juiz da Lava Jato. Na ocasião, ele tornou público um diálogo em que a então presidente Dilma Rousseff (PT) teve com Lula, levando a anulação da posse dele na Casa Civil pelo STF. Para a Lava Jato, a ligação mostrava que a nomeação visava travar as investigações sobre ele.
Mas registros analisados pela Folha e pelo Intercept mostram que outras ligações interceptadas naquele dia, e mantidas em sigilo, punham em xeque a hipótese adotada, já que revelam que o petista, em conversas com políticos, sindicalistas e o então vice-presidente Michel Temer (MDB), disse que relutou em aceitar o convite de Dilma para ser ministro e só aceitou por pressões de aliados.
O Supremo Tribunal Federal (STF) pode analisar nos próximos meses se as mensagens trocadas por integrantes da força-tarefa da Lava Jato devem ser usadas ou não como provas legais para questionar a conduta do ex-juiz Sergio Moro e de procuradores da operação.
O ministro da Justiça, Sergio Moro, disse que não soube dos telefonemas do ex-presidente que a Polícia Federal grampeou e manteve sob sigilo em 2016, quando era o juiz à frente das ações da Lava Jato em Curitiba. "O atual ministro teve conhecimento, à época, apenas dos diálogos selecionados pela autoridade policial e enviados à Justiça", afirmou o Ministério da Justiça, por meio de nota.
Em nota, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba disse que cabe à polícia selecionar as interceptações relevantes para as investigações e que "não houve seleção de áudios pelas autoridades quando do levantamento do sigilo" do caso de Lula.
A Polícia Federal não quis fazer comentários sobre a seleção dos áudios que anexou aos autos da investigação em 2016. 
 
Comentários CORRIGIR TEXTO