Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Câmara dos Deputados

- Publicada em 19h07min, 05/09/2019. Atualizada em 19h06min, 05/09/2019.

Fernando Holiday é chamado de 'macaco de auditório' e acusa racismo

Holiday disse que se sentiu "revoltado" ao ouvir as falas. "Mas na hora consegui conter a raiva"

Holiday disse que se sentiu "revoltado" ao ouvir as falas. "Mas na hora consegui conter a raiva"


Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM), membro do Movimento Brasil Livre (MBL), foi chamado de "macaco de auditório" no plenário da Câmara Municipal na tarde desta quinta-feira, 5, e diz que irá denunciar racismo à Corregedoria do Legislativo e ao Ministério Público Estadual (MPE). O autor da fala é o vereador Camilo Cristófaro (PSB).
O vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM), membro do Movimento Brasil Livre (MBL), foi chamado de "macaco de auditório" no plenário da Câmara Municipal na tarde desta quinta-feira, 5, e diz que irá denunciar racismo à Corregedoria do Legislativo e ao Ministério Público Estadual (MPE). O autor da fala é o vereador Camilo Cristófaro (PSB).
Holiday disse que se sentiu "revoltado" ao ouvir as falas. "Mas na hora consegui conter a raiva", afirmou à reportagem. "Os demais vereadores disseram que eu estava sendo dramático", afirma o membro do MBL. "Nunca havia sofrido um ataque dessa maneira, ao menos não na sessão plenária", disse.
O ataque tem como pano de fundo um clima azedo entre Holiday e outros vereadores desde uma entrevista que ele deu para o apresentador Danilo Gentili, do SBT, na sexta-feira passada. Ele declarou que os vereadores de São Paulo "não trabalham", o que havia revoltado os colegas. Na quarta-feira, também no plenário, voltou a fazer tais afirmações.
Já nesta quinta, Cristófaro usou seu tempo de discurso na sessão para atacar Holiday. "Lamentavelmente o senhor Holiday usa as redes sociais, ele é o grande macaco de auditório das redes sociais, dando risada dessa casa, explodindo as redes sociais, porque a população adora ver sangue, maldade e mentira", disse Cristófaro, para completar dizendo que Holiday chamou os colegas de "vagabundos". O vereador do MBL foi chamado também de "moleque".
À reportagem, o vereador disse que não havia feito um comentário racista. "Não tem nada de racismo. Macaco de auditório é uma expressão popular", disse. "Trabalho 12 horas por dia. Poderia vender todos os meus bens e dar uma banana para o Brasil", disse Cristófaro.
Ao ver a reportagem conversando com Holiday, no plenário da Câmara, após o ocorrido, o vereador Paulo Reis (PT), negro, quis comentar o tema. "Os vereadores trabalham muito, e ficaram muito revoltados com as declarações do Holiday", disse Reis. "Eu já dei encaminhando à Prefeitura de 7 mil demandas. O trabalho do vereador é feito na base. A hora que ele fala uma coisa dessas para fora da Câmara, nos ataca", disse. "Cada um que se sente vítima de racismo ou não. E se sentiu, deve tomar as providências", afirmou, ao ser questionado.
O presidente da Câmara, Eduardo Tuma (PSDB), evitou comentar as afirmações de ataque racial de Holiday e preferiu engrossar o coro dos ataques ao parlamentar do MBL por causa da alegação de que os vereadores "não trabalham". "Inadmissível", disse Tuma. "Atesto que os vereadores trabalham dia e noite, de segunda à segunda, tanto nas atividades parlamentares quanto naquelas políticas", disse o presidente, por nota.
Cristófaro já havia se envolvido em polêmica, quando foi acusado de agressão, em 2017, quando teria chamado a vereadora Isa Penna (PSOL) de "vagabunda". A parlamentar chegou a representar contra Cristófaro na Corregedoria da Câmara, mas o caso foi arquivado.
O vereador, no entanto, só se mantém no cargo por uma decisão liminar da Presidência do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Ele teve o mandato cassado por ter justificado receitas de campanha com a alegação de que recebeu doação de uma eleitora que, na verdade, estava inscrita em programas sociais e não teria condição de doar para sua campanha.
Comentários CORRIGIR TEXTO