Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mobilização

- Publicada em 03h05min, 26/08/2019. Atualizada em 03h00min, 26/08/2019.

Atos pró-Moro e Dallagnol atacam projeto de abuso de autoridade

Em frente ao Congresso Nacional, um grande boneco do super-homem trazia o rosto de Moro, em meio ao público vestido de verde e amarelo

Em frente ao Congresso Nacional, um grande boneco do super-homem trazia o rosto de Moro, em meio ao público vestido de verde e amarelo


VEM PRA RUA/FACEBOOK/DIVULGAÇÃO/JC
Ao menos 12 estados e o Distrito Federal realizaram neste domingo (25) manifestações contra o projeto de lei de abuso de autoridade, que foi aprovado pelo Congresso e aguarda sanção do presidente Jair Bolsonaro (PSL).
Ao menos 12 estados e o Distrito Federal realizaram neste domingo (25) manifestações contra o projeto de lei de abuso de autoridade, que foi aprovado pelo Congresso e aguarda sanção do presidente Jair Bolsonaro (PSL).
Foram registrados atos em todas as regiões do País. No Sudeste, ocorreram em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. No Sul, houve manifestação em Curitiba (PR), enquanto no Centro-Oeste os atos foram realizados em Goiás e no Distrito Federal.
Já no Nordeste, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Alagoas registraram manifestações, enquanto no Norte do País Belém (PA) sediou protestos.
As manifestações foram convocadas por grupos como o Vem pra Rua, que pediam que o presidente vete o projeto sobre abuso de autoridade, mas não só isso. Os atos também pedem a indicação do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, à Procuradoria-Geral da República (PGR), o impeachment do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a manutenção da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e declaram apoio ao ministro Sérgio Moro, da Justiça, e ao governo Bolsonaro.
No dia 14, a Câmara dos Deputados aprovou projeto que endurece punições por abuso de autoridade de agentes públicos, entre eles juízes e promotores. Para Dallagnol, o combate à corrupção no país está sob ataque por parte dos três poderes da República.
Em entrevista à Gazeta do Povo na quinta-feira passada, ele disse que a Lava Jato e todos os mecanismos anticorrupção do Brasil estão ameaçados por ações do Congresso, do STF e do governo Bolsonaro. "A gente vê um movimento amplo (de enfraquecimento do combate à corrupção). Não é um movimento restrito, não é uma pessoa ou duas. A gente vê um movimento que engloba o Legislativo, o Executivo e o Judiciário", disse.
O projeto aprovado, que só depende da sanção de Bolsonaro - já passou pelo Senado -, determina a configuração de crime de abuso de autoridade de quem obtiver prova por meio ilícito ou pedir investigação contra alguém sem indícios de crime, entre outras.
Em São Paulo, o ato na avenida Paulista contou com um boneco gigante do ex-juiz com a frase "Mexeu com o Moro, mexeu com o povo brasileiro".
Já no Rio de Janeiro, a orla da praia de Copacabana foi o palco da manifestação, enquanto em Belo Horizonte a praça da Liberdade, tradicional ponto de atos, abrigou o protesto deste domingo (25). Em Vitória, a manifestação ocorre nesta tarde, na praia de Camburi.
No Nordeste, o ato em Salvador ocorreu no Farol da Barra, de manhã, com caminhada até o Morro do Cristo. Em Maceió, também durante a manhã, aconteceu na praça Vera Arruda.
Já em São Luís, a rua em frente à sede da Polícia Federal reuniu os manifestantes por cerca de duas horas. Recife teve a avenida Boa Viagem como cenário do ato e, em Natal, a manifestação aconteceu no bairro Tirol.
Em Brasília, o palco foi o gramado em frente ao Congresso. Um grande boneco do super-homem trazia o rosto de Moro, em meio ao público vestido de verde e amarelo. Também no Centro-Oeste, a manifestação em Goiânia acontece na tarde deste domingo (25), com caminhada a partir da sede da PF.
Em Curitiba, capital da Lava Jato, a concentração ocorreu na Boca Maldita e, em Belém, uma caminhada iniciada na avenida Presidente Vargas marcou o protesto.
Comentários CORRIGIR TEXTO