Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

21/08/2019 - 11h30min. Alterada em 21/08 às 11h30min

Congresso votará LDO 2020 e analisará 14 vetos de Bolsonaro

Estadão Conteúdo
O Congresso Nacional realiza uma sessão conjunta de deputados e senadores, nesta quarta-feira (21), para votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020, que prevê reajuste do salário mínimo de R$ 998 para R$ 1.040 no ano que vem, sem ganhos reais e um aumento nominal de 4,2%.
O Congresso Nacional realiza uma sessão conjunta de deputados e senadores, nesta quarta-feira (21), para votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020, que prevê reajuste do salário mínimo de R$ 998 para R$ 1.040 no ano que vem, sem ganhos reais e um aumento nominal de 4,2%.
Além do reajuste no salário mínimo, a LDO estabelece metas e prioridades para o exercício financeiro do ano seguinte e também define a meta fiscal, prevendo um déficit primário de até R$ 124,1 bilhões.
O governo prevê que as contas ficarão no vermelho até 2022, isso sem contar receitas e despesas com juros da dívida. Antes de votar a LDO, o Congresso precisará se debruçar sobre 14 vetos do presidente da República, Jair Bolsonaro, que trancam a pauta.
Entre os vetos, estão as mudanças feitas na reforma administrativa, o despacho gratuito de bagagens aéreas, a lista tríplice para o comando das agências reguladoras e a punição para quem divulga notícias falsas com propósito eleitoral. A sessão do Congresso está convocada para às 11h30min.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia