Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo do Estado

- Publicada em 03h01min, 21/08/2019. Atualizada em 03h00min, 21/08/2019.

Liminar suspende congelamento de outros Poderes

Ao avaliar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) do Ministério Público (MP) contra a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020 - que congela o orçamento de todos os poderes e órgãos do Estado - o Tribunal de Justiça (TJ) concedeu uma liminar suspendendo a vigência do congelamento do orçamento. Com isso, volta à pauta o debate em torno da possibilidade de reajuste nos recursos repassados às outras instituições. 
Ao avaliar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) do Ministério Público (MP) contra a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2020 - que congela o orçamento de todos os poderes e órgãos do Estado - o Tribunal de Justiça (TJ) concedeu uma liminar suspendendo a vigência do congelamento do orçamento. Com isso, volta à pauta o debate em torno da possibilidade de reajuste nos recursos repassados às outras instituições. 
O governo Eduardo Leite (PSDB) já esperava ações judiciais contestando a LDO. A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) deve argumentar que o TJ teria de se declarar impedido de julgar a ação, porque é parte afetada pelo desfecho do processo judicial. A PGE quer levar a decisão para a Suprema Corte.
Em 2007, a ex-governadora Yeda Crusius (PSDB, 2007-2010) tentou aprovar uma LDO que também congelava o orçamento dos demais Poderes. Mas, antes que o projeto fosse votado, a Justiça foi provocada. Yeda teve que retificar a peça, incluindo o repasse do crescimento vegetativo.
O relator da LDO de 2020 na Comissão de Finanças, deputado Mateus Wesp (PSDB), criticou pelo Twitter a liminar: "Uma decisão monocrática derruba um projeto aprovado por mais de 60% dos representantes do povo. É a ditadura do Judiciário".
 

Projeto quer mais transparência no salário de dirigentes de estatais

O deputado Pedro Pereira (PSDB) protocolou um projeto para determinar que os salários dos presidentes e diretores do sistema financeiro, das empresas públicas, das autarquias, das fundações, das sociedades de economia mista não excedam o limite remuneratório constitucionalmente previsto.

O objetivo é evitar o que ocorreu em maio, quando o plenário discutiu e aprovou os nomes indicados pelo governo para ocupar a presidência e a diretoria do Banrisul.

"Os nomes foram aprovados após quatro semanas de debate, pois havia informações de que eles ganhariam um aumento salarial de 100%. Votei contra, pois é injusto com os gaúchos e gaúchas" justificou.

Comentários CORRIGIR TEXTO