Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de agosto de 2019.
Dia Mundial da Fotografia.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Partidos

Edição impressa de 19/08/2019. Alterada em 19/08 às 03h00min

'Como está, há risco de o MDB desaparecer', diz Pedro Simon

Para ex-senador, é 'absurdo' Romero Jucá ficar na presidência da sigla

Para ex-senador, é 'absurdo' Romero Jucá ficar na presidência da sigla


/MARIANA CARLESSO/JC
Com a autoridade de quem é filiado ao MDB desde 1965, o ex-senador e ex-governador do Rio Grande do Sul Pedro Simon diz que o partido deve fazer uma "profunda reflexão" porque, se continuar como está, "corre risco de desaparecer". Em entrevista publicada no jornal O Estado de S. Paulo neste domingo, Simon diz considerar "um absurdo" a permanência do ex-senador Romero Jucá na presidência do partido. Aos 90 anos e sem mandato, Simon segue fazendo política partidária e abraçando causas, como a defesa da Operação Lava Jato. 
Com a autoridade de quem é filiado ao MDB desde 1965, o ex-senador e ex-governador do Rio Grande do Sul Pedro Simon diz que o partido deve fazer uma "profunda reflexão" porque, se continuar como está, "corre risco de desaparecer". Em entrevista publicada no jornal O Estado de S. Paulo neste domingo, Simon diz considerar "um absurdo" a permanência do ex-senador Romero Jucá na presidência do partido. Aos 90 anos e sem mandato, Simon segue fazendo política partidária e abraçando causas, como a defesa da Operação Lava Jato. 
Para o ex-senador, uma das provas da perda de relevância do MDB no cenário político nacional é uma menor presença da sigla nos parlamentos. "Fui na Assembleia Legislativa de São Paulo e vi que o MDB só tem três deputados de quase 100. Lembro quando o MDB tinha metade do Parlamento. Na época da ditadura, ser do MDB era lutar contra ela. Era mais fácil ser do partido. Mas, com o tempo, isso foi se esvaziando."
Para o ex-senador, apesar das mensagens obtidas pelo site The Intercept Brasil, "não dá para anular tudo e voltar para a estaca zero (na Operação Lava Jato)". "As irregularidades que podem ter acontecido não podem, como alguns querem, anular a Lava Jato. Não podem voltar atrás e mandar para a cadeia só após condenação em última instância."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia