Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Partidos

- Publicada em 03h04min, 19/08/2019. Atualizada em 03h00min, 19/08/2019.

'Como está, há risco de o MDB desaparecer', diz Pedro Simon

Para ex-senador, é 'absurdo' Romero Jucá ficar na presidência da sigla

Para ex-senador, é 'absurdo' Romero Jucá ficar na presidência da sigla


/MARIANA CARLESSO/JC
Com a autoridade de quem é filiado ao MDB desde 1965, o ex-senador e ex-governador do Rio Grande do Sul Pedro Simon diz que o partido deve fazer uma "profunda reflexão" porque, se continuar como está, "corre risco de desaparecer". Em entrevista publicada no jornal O Estado de S. Paulo neste domingo, Simon diz considerar "um absurdo" a permanência do ex-senador Romero Jucá na presidência do partido. Aos 90 anos e sem mandato, Simon segue fazendo política partidária e abraçando causas, como a defesa da Operação Lava Jato. 
Com a autoridade de quem é filiado ao MDB desde 1965, o ex-senador e ex-governador do Rio Grande do Sul Pedro Simon diz que o partido deve fazer uma "profunda reflexão" porque, se continuar como está, "corre risco de desaparecer". Em entrevista publicada no jornal O Estado de S. Paulo neste domingo, Simon diz considerar "um absurdo" a permanência do ex-senador Romero Jucá na presidência do partido. Aos 90 anos e sem mandato, Simon segue fazendo política partidária e abraçando causas, como a defesa da Operação Lava Jato. 
Para o ex-senador, uma das provas da perda de relevância do MDB no cenário político nacional é uma menor presença da sigla nos parlamentos. "Fui na Assembleia Legislativa de São Paulo e vi que o MDB só tem três deputados de quase 100. Lembro quando o MDB tinha metade do Parlamento. Na época da ditadura, ser do MDB era lutar contra ela. Era mais fácil ser do partido. Mas, com o tempo, isso foi se esvaziando."
Para o ex-senador, apesar das mensagens obtidas pelo site The Intercept Brasil, "não dá para anular tudo e voltar para a estaca zero (na Operação Lava Jato)". "As irregularidades que podem ter acontecido não podem, como alguns querem, anular a Lava Jato. Não podem voltar atrás e mandar para a cadeia só após condenação em última instância."
 
Comentários CORRIGIR TEXTO