Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de agosto de 2019.
Dia Internacional dos Povos Indígenas.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 09/08 às 17h45min

'Vejo um movimento de reação como o que aconteceu na Itália', diz Deltan

Conselho Nacional do Ministério Público pode pôr em pauta eventual afastamento de Deltan da Lava Jato

Conselho Nacional do Ministério Público pode pôr em pauta eventual afastamento de Deltan da Lava Jato


MARIANA CARLESSO/JC
Estadão Conteúdo
Sob fogo cerrado de opositores da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa no Paraná, comparou a grande reação à maior investigação já desencadeada no País contra a corrupção ao movimento que colocou em xeque a Mãos Limpas - missão similar que a Itália viveu nos anos 1990 e acabou esvaziada por forças políticas.
Sob fogo cerrado de opositores da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa no Paraná, comparou a grande reação à maior investigação já desencadeada no País contra a corrupção ao movimento que colocou em xeque a Mãos Limpas - missão similar que a Itália viveu nos anos 1990 e acabou esvaziada por forças políticas.
Em sua conta no Twitter, Deltan postou. "Vejo um movimento de reação como o que aconteceu na Itália, em que se busca tirar a credibilidade de agentes públicos que atuam na operação."
Na próxima terça-feira (13), o Conselho Nacional do Ministério Público pode pôr em pauta eventual afastamento de Deltan da Lava Jato. Ele tem sido alvo frequente de reclamações perante o colegiado.
Deltan avalia que o objetivo de quem fustiga a Lava Jato é "promover os retrocessos que possam permitir que poderosos que praticaram crimes graves alcancem impunidade".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia