Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

08/08/2019 - 14h15min. Alterada em 08/08 às 15h30min

Ministro da Infraestrutura diz que passagem aérea vai cair já no fim do ano

Ministro frisou que algumas empresas já testam o mercado doméstico com rotas internacionais

Ministro frisou que algumas empresas já testam o mercado doméstico com rotas internacionais


ROVENA ROSA/ABR/JC
Estadão Conteúdo
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse nesta quinta-feira (8), durante evento realizado pelo BTG Pactual, que o País toma medidas necessárias em várias frentes para que o preço da passagem aérea comece a cair já no fim do ano. "Tudo leva a crer que vamos começar a observar redução do preço da passagem já no final do ano", comentou.
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse nesta quinta-feira (8), durante evento realizado pelo BTG Pactual, que o País toma medidas necessárias em várias frentes para que o preço da passagem aérea comece a cair já no fim do ano. "Tudo leva a crer que vamos começar a observar redução do preço da passagem já no final do ano", comentou.
Segundo ele, a quebra da barreira de restrição ao capital estrangeiro no setor aéreo já atrai novos entrantes.
Ele citou a entrada da Air Europa no Brasil e afirmou que a empresa do Oriente Médio Gulf Air também conversa com o governo.
Além disso, o ministro frisou que algumas empresas já testam o mercado doméstico com rotas internacionais que passam pelo Brasil, de olho em um potencial crescimento do setor nos próximos anos. "O Brasil tem o sexto maior mercado de aviação do mundo, mas tem condições de ter o terceiro. Temos extensão territorial, população, todas as condições. O Brasil vai crescer e PIB e crescimento de demanda andam colados. Se o PIB cresce um ponto, a aviação cresce 2 a 3 pontos", disse.
Ele destacou ainda intenção do governo de simplificar a regulação do setor, que hoje é tida como "complexa e intervencionista".
E afirmou que o ministério quer prover mais infraestrutura para o setor, além de conversar com os governadores para que negociem reduções de ICMS sobre querosene de aviação (QAV) em troca de contrapartidas por investimentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia