Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 08/08 às 09h33min

Gilmar Mendes barra investigação de Glenn Greenwald por mensagens vazadas

Fato de a Polícia Federal não ter descartado abertura de investigação fez ministro tomar decisão

Fato de a Polícia Federal não ter descartado abertura de investigação fez ministro tomar decisão


NELSON JR./SCO/STF/JC
Agência Brasil
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal federal, concedeu na noite dessa quarta-feira (7), uma liminar (decisão provisória) para impedir que o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, responsável pelo site The Intercept Brasil, seja investigado ou responsabilizado por receber, obter ou publicar informações.
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal federal, concedeu na noite dessa quarta-feira (7), uma liminar (decisão provisória) para impedir que o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, responsável pelo site The Intercept Brasil, seja investigado ou responsabilizado por receber, obter ou publicar informações.
O pedido de liminar havia sido feito pelo partido Rede Sustentabilidade. Desde junho, o Intercept tem publicado mensagens trocadas por autoridades da República. Glenn afirma ter obtido o material de uma fonte anônima.
Na decisão, Gilmar escreveu ser "corolário imediato da liberdade de expressão o direito de obter, produzir e divulgar fatos e notícias por quaisquer meios. O sigilo constitucional da fonte jornalística (art. 5º, inciso XIV, da CF) impossibilita que o Estado utilize medidas coercivas para constranger a atuação profissional e devassar a forma de recepção e transmissão daquilo que é trazido a conhecimento público".
Para o ministro, apesar de a Polícia Federal e outros órgãos não terem confirmado a existência de investigações contra o jornalista, "nenhum desses órgãos descartou a possibilidade futura de abertura", motivo pelo qual resolveu conceder a liminar.
"A própria maneira escamoteada e automatizada como vêm se desenvolvendo atos inquisitivos sobre a movimentação financeira dos cidadãos confirma que a demora na concessão da tutela pleiteada nesta ação traduz-se em perigo de dano irreparável às garantias individuais do jornalista", escreveu Gilmar Mendes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia