Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

31/07/2019 - 14h11min. Alterada em 31/07 às 14h11min

Doria diz apoiar País e que continuará a se manifestar quando achar necessário

Governador de São Paulo se referiu à fala, segundo ele, "infeliz" do presidente Bolsonaro, ao se referir ao pai de Santa Cruz

Governador de São Paulo se referiu à fala, segundo ele, "infeliz" do presidente Bolsonaro, ao se referir ao pai de Santa Cruz


VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a negar nesta quarta-feira (31), que esteja se distanciando do governo Jair Bolsonaro (PSL), após criticar a declaração do presidente envolvendo Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. Durante cerimônia para assinatura do contrato da Sabesp com 13 municípios para fornecimento de serviços de saneamento, o governador afirmou que sua postura continua a mesma de "apoiar o Brasil", e que continuará a se manifestar "quando achar necessário".
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a negar nesta quarta-feira (31), que esteja se distanciando do governo Jair Bolsonaro (PSL), após criticar a declaração do presidente envolvendo Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. Durante cerimônia para assinatura do contrato da Sabesp com 13 municípios para fornecimento de serviços de saneamento, o governador afirmou que sua postura continua a mesma de "apoiar o Brasil", e que continuará a se manifestar "quando achar necessário".
"Não estamos nos distanciando do governo Bolsonaro, quero deixar isso bem claro. Mantemos a mesma posição que tínhamos no início do governo. Apoiamos todas as iniciativas do governo Bolsonaro que sejam boas para o País", afirmou o governador. "Mas continuamos preservando o espírito crítico quando alguma atitude merecer observações e contribuições. A posição crítica sobre alguns temas permanece. Quando for necessário, vamos nos manifestar", acrescentou.
O governador se referiu em particular à fala, segundo ele, "infeliz" do presidente Bolsonaro, ao se referir ao pai de Santa Cruz.
"Fernando foi assassinado. Eu sou filho de um deputado cassado pelo golpe militar de 1964, fui para o exílio com meu pai. Eu sei o que foi o sofrimento dele e de outros parlamentares, intelectuais, escritores, artistas e brasileiros de todas as origens no período da ditadura militar. Eu não apago a história e nem reconstruo a história, mas isso não implica em fazer oposição ao governo Bolsonaro", concluiu Doria.
A Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, vinculada ao governo, emitiu uma retificação de atestado de óbito de Fernando Santa Cruz, na semana passada, na qual reconhece que sua morte ocorreu "em razão de morte não natural, violenta, causada pelo Estado Brasileiro".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia