Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 30 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Violência

Edição impressa de 30/07/2019. Alterada em 30/07 às 03h00min

Bolsonaro contesta morte, e MPF diz não haver indício de invasão no AP

Ao comentar pela primeira vez o caso da morte de um líder da etnia waiãpi no Amapá, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que "não tem nenhum indício forte" de que ele tenha sido assassinado na manhã desta segunda. "Chegaram várias possibilidades, a PF está lá, quem pudermos mandar já mandamos. Buscarei desvendar o caso e mostrar a verdade sobre isso aí", afirmou.
Ao comentar pela primeira vez o caso da morte de um líder da etnia waiãpi no Amapá, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que "não tem nenhum indício forte" de que ele tenha sido assassinado na manhã desta segunda. "Chegaram várias possibilidades, a PF está lá, quem pudermos mandar já mandamos. Buscarei desvendar o caso e mostrar a verdade sobre isso aí", afirmou.
O Ministério Público Federal (MPF) no Amapá reiterou a afirmação no presidente. Com base em dados repassados pela Polícia Federal, o procurador da República Randolfo Lopes informou que não havia vestígios de que o território dos waiãpis tenha sido invadido por garimpeiros durante coletiva na tarde desta segunda (29). Lopes afirmou que indígenas auxiliaram a equipe de 25 policiais federais. "Não há indícios de garimpo na área e nem qualquer resquício de não indígenas. Nessa área, não há registro de conflito. Não há resquícios de pegadas, marcas de fogueira ou restos deixados", disse. Rodolfo Lopes disse acreditar que, até o fim desta semana, o relatório completo estará concluído.
A investigação começou após waiãpis denunciarem o assassinato de um líder em meio a uma invasão de garimpeiros na última quarta. Em nota, o Conselho das Aldeias Waiãpi disse que não houve testemunhas e que o corpo só foi encontrado no dia seguinte. Já os waiãpis afirmaram que, na sexta, indígenas encontraram não índios armados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia