Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de julho de 2019.
Dia do Comerciante .

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Edição impressa de 16/07/2019. Alterada em 16/07 às 04h50min

PGR chama força-tarefa para discutir posicionamento sobre mensagens

Um mês após o início da divulgação de mensagens supostamente trocadas nos últimos anos entre procuradores da Lava Jato e o então juiz Sérgio Moro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, receberá hoje integrantes da força-tarefa sediada em Curitiba. Convocada por Dodge, a reunião marcada para esta terça tem o objetivo de avaliar toda a situação do ponto de vista institucional.
Um mês após o início da divulgação de mensagens supostamente trocadas nos últimos anos entre procuradores da Lava Jato e o então juiz Sérgio Moro, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, receberá hoje integrantes da força-tarefa sediada em Curitiba. Convocada por Dodge, a reunião marcada para esta terça tem o objetivo de avaliar toda a situação do ponto de vista institucional.
Reportagens do site The Intercept Brasil, em parceria com outros veículos de comunicação, põem em xeque a conduta de procuradores e do ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao revelar supostos diálogos travados entre Deltan Dallagnol e outros integrantes do Ministério Público Federal (MPF) e do próprio ex-juiz federal. Os citados afirmam não reconhecerem a autenticidade das mensagens, negam irregularidades e se dizem vítimas de crime de hackers.
Neste mês, a Procuradoria-Geral da República (PGR) já se manifestou contra pedidos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que aponta suspeição de Moro na condução de ações penais contra si. A PGR já afirmou que houve atuação criminosa contra integrantes do MPF, no ofício enviado em junho à Polícia Federal pedindo uma investigação sobre os motivos e eventuais contratantes do "ataque cibernético sistemático".
A informação na PGR é que a reunião já estava sendo articulada há semanas e não se deve a nenhum conteúdo específico divulgado na imprensa recentemente. Por coincidência, a reunião acontecerá um dia depois de a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão MPF responsável pela defesa de direitos humanos, divulgar uma nota pública com críticas indiretas à força-tarefa da Lava Jato ontem. A PFDC é independente e não necessariamente representa a PGR.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia