Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de julho de 2019.
Dia Nacional dos Clubes.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Edição impressa de 15/07/2019. Alterada em 15/07 às 03h00min

Diálogos mostram que Dallagnol queria montar empresa de palestras

Conversa entre Deltan Dallagnol e Pozzobon aconteceu no Telegram

Conversa entre Deltan Dallagnol e Pozzobon aconteceu no Telegram


/EVARISTO SA/AFP/JC
O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) responsável pela Lava Jato em Curitiba, teria planejado montar uma empresa para proferir palestras e outros eventos com seu colega de equipe Roberson Pozzobon. A ideia era lucrar com a notoriedade da operação. O negócio, de acordo com novos diálogos divulgados neste domingo (14) pelo jornal Folha de S. Paulo e revelados pelo site The Intercept, iria ser tocado pelas mulheres dos procuradores, que apareceriam como sócias para evitar que ambos fossem alvos de questionamentos. As conversas teriam sido retiradas das mensagens de um suposto grupo de chat no Telegram.
O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) responsável pela Lava Jato em Curitiba, teria planejado montar uma empresa para proferir palestras e outros eventos com seu colega de equipe Roberson Pozzobon. A ideia era lucrar com a notoriedade da operação. O negócio, de acordo com novos diálogos divulgados neste domingo (14) pelo jornal Folha de S. Paulo e revelados pelo site The Intercept, iria ser tocado pelas mulheres dos procuradores, que apareceriam como sócias para evitar que ambos fossem alvos de questionamentos. As conversas teriam sido retiradas das mensagens de um suposto grupo de chat no Telegram.
Dallagnol afirmou à Folha que realiza palestras para "promover a cidadania e o combate à corrupção" e que esse trabalho ocorre de maneira compatível com a atuação no Ministério Público Federal. Ele e Pozzobon negam ter aberto empresa ou instituto de palestras em nome deles ou de suas esposas. Sobre as palestras, afirmam que são "prática comum no meio jurídico por parte de autoridades públicas e em outras profissões".
Nas mensagens entre Dallagnol e sua esposa, no fim de 2018, segundo o jornal, eles discutem a criação da empresa na qual não apareceriam formalmente como sócios. "Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade."
Ainda de acordo com a reportagem, os procuradores cogitaram criar um instituto com o objetivo de obter elevados cachês. "Se fizéssemos algo sem fins lucrativos e pagássemos valores altos de palestras para nós, escaparíamos das críticas, mas teria que ver o quanto perderíamos em termos monetários", comentou Deltan com o integrante da força-tarefa.
Deltan e Pozzebon discutiram ainda fazer uma parceria com uma firma que realiza festas de formatura e outras duas empresas de eventos. "Antes de darmos passos para abrir a empresa, teríamos que ter um plano de negócios e ter claras as expectativas em relação a cada um. Para ter plano de negócios, seria bom ver os últimos eventos e preço", afirmou Deltan no chat criado para debater o surgimento da empresa.
Pozzobon responde: "Temos que ver se o evento que vale mais a pena é: i) Mais gente, mais barato ii) Menos gente, mais caro. E um formato não exclui o outro".
Em uma das mensagens divulgadas pelo jornal, datada de 14 de fevereiro de 2019, Deltan faz um alerta sobre a criação da empresa levantar suspeitas: "É bem possível que um dia ela (em referência à proprietária de uma empresa especializada em palestras) seja ouvida sobre isso para nos pegarem por gerenciarmos empresa", disse. No que Pozzobon responde: "Se chegarem nesse grau de verificação é pq o negócio ficou lucrativo mesmo rsrsrs. Que veeeenham". 
Nas conversas divulgadas pelo jornal, Deltan fala sobre a rentabilidade do negócio de proferir palestra. Antes de criar o grupo no Telegram, ele teria, três meses antes, conversado com sua mulher sobre o quanto já havia arrecadado até setembro de 2018. "As palestras e aulas já tabeladas neste ano estão dando líquido 232k (R$ 232 mil). Ótimo... 23 aulas/palestras. Dá uma média de 10k (R$ 10 mil) limpo."
"Se tudo der certo nas palestras, vai entrar ainda uns 100k
(R$ 100 mil) limpos até o fim do ano. Total líquido das palestras e livros daria uns 400k (R$ 400 mil). Total de 40 aulas/palestras. Média de 10k limpo."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia