Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

Edição impressa de 11/07/2019. Alterada em 10/07 às 23h44min

Prefeitura de Porto Alegre espera aval para linha de R$ 80 milhões em segurança pública

Investimentos devem priorizar inteligência e tecnologia no combate à criminalidade na Capital

Investimentos devem priorizar inteligência e tecnologia no combate à criminalidade na Capital


Cesar Lopes/PMPA/Divulgação/JC
Matheus Closs
A prefeitura de Porto Alegre espera que a Câmara Municipal aprove, no começo de agosto, o Projeto de Lei que autoriza o Executivo a contratar um financiamento de cerca de R$ 80 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) para aplicar em segurança pública na Capital. O projeto foi enviado na terça-feira para o Legislativo.
A prefeitura de Porto Alegre espera que a Câmara Municipal aprove, no começo de agosto, o Projeto de Lei que autoriza o Executivo a contratar um financiamento de cerca de R$ 80 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) para aplicar em segurança pública na Capital. O projeto foi enviado na terça-feira para o Legislativo.
A proposta contempla o Programa de Segurança Pública de Porto Alegre, que prevê uma série de medidas de infraestrutura, sistemas e equipamentos a serem utilizados no combate à criminalidade. Com a aprovação da operação, a prefeitura poderá chegar a um aporte de mais de R$ 89 milhões. São R$ 80.594.293,26 da linha de financiamento Bndes Finem Segurança e mais R$ 9.154.921,47 de contrapartida do município.
O secretário-adjunto de Planejamento e Gestão, Daniel Rigon, explica que o crédito deve ser utilizado para projetos de inteligência e tecnologia, como sistemas de reconhecimento facial e sistemas analíticos, além de modernização da equipagem da Guarda Municipal e da Defesa Civil. Além disso, a prefeitura pretende direcionar recursos para questões sociais, voltadas à prevenção da violência.
"Vamos elaborar projetos nas áreas da Educação, Cultura, Saúde e Assistência Social para que seja minimizada a possibilidade das pessoas que teriam a tendência de entrarem no mundo no crime, terem outras oportunidades", explica Rigon.
Notícias sobre investimentos em segurança púbica interessam você?
Entre os benefícios do investimento apontados na justificativa do PLE estão a redução da criminalidade e das ocorrências de furto e roubo de veículos e uma maior participação efetiva do cidadão nas soluções para redução da criminalidade. A proposta também permitirá, caso necessário, a abertura de créditos adicionais na Lei Orçamentária Anual (LOA) da prefeitura.
Rigon adianta que a expectativa do governo é de aprovar o projeto na Câmara sem grandes objeções por se tratar de um projeto de investimento para a cidade. A articulação já está sendo feita com o líder e o vice-líder do governo na Casa, Mauro Pinheiro (Rede) e Moisés Barboza (PSDB), respectivamente. O Executivo espera que o projeto possa ter prioridade na tramitação e votação na volta do recesso do Legislativo, que vai de 17 a 31 julho. "Gostaria que em agosto fosse aprovado, acho que é viável", aposta o secretário-adjunto.
O governo municipal estuda a busca de mais investimentos, adianta Rigon. A medida é efeito da melhora das finanças do município, que permitiu recuperar a nota de crédito para voltar a contrair financiamentos de instituições financeiras, como o da construção da Estação de Tratamento de Água (ETA) Ponta do Arado com a Caixa Econômica Federal (CEF).
"Estamos estudando aplicações e fontes de recursos e recebendo contatos. O próprio presidente da Caixa, Pedro Guimarães, informou que os nossos limites devem aumentar. Assim que essas fontes estiverem aptas e disponíveis, temos projetos prontos e outros sendo montados", garante o secretário-adjunto de Planejamento e Gestão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia