Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Alterada em 09/07 às 17h19min

Seis unidades da DPU serão fechadas no Rio Grande do Sul

Na manhã desta terça-feira (9), a Defensoria Pública da União (DPU) informou por meio de nota que fechará seis unidades no interior do Rio Grande do Sul. A população das cidades de Bagé, Canoas, Pelotas, Rio Grande, Santa Maria e Uruguaiana perderão o acesso aos serviços. A única unidade que oferecerá o atendimento será em Porto Alegre.
Na manhã desta terça-feira (9), a Defensoria Pública da União (DPU) informou por meio de nota que fechará seis unidades no interior do Rio Grande do Sul. A população das cidades de Bagé, Canoas, Pelotas, Rio Grande, Santa Maria e Uruguaiana perderão o acesso aos serviços. A única unidade que oferecerá o atendimento será em Porto Alegre.
A decisão faz parte do plano emergencial do Poder Executivo federal, que estabeleceu o prazo até o dia 27 de julho para devolução dos 828 servidores que atuam nas 70 unidades do órgão em todo o Brasil. O número representa 63% do serviço administrativo total oferecido pela DPU.
Para seguir funcionando no interior do Estado, a DPU depende do lançamento de uma Medida Provisória que estenda a permanência dos servidores na instituição ao menos até a aprovação do Projeto de Lei 7.922/2014 no Congresso Nacional, que prevê a criação da carreira administrativa dentro do órgão, mas que até hoje não foi apreciado em Plenário na Câmara dos Deputados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia