Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 09/07 às 09h56min

Operação da Lava Jato prende doleiro no Rio de Janeiro

Agência Brasil
Uma equipe da força tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro prendeu nesta terça-feira (9) o empresário Mario Libman. Ele é acusado de ser um dos operadores de Dario Messer, foragido e chamado de "O doleiro dos doleiros". A ação faz parte da Operação Câmbio Desligo.
Uma equipe da força tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro prendeu nesta terça-feira (9) o empresário Mario Libman. Ele é acusado de ser um dos operadores de Dario Messer, foragido e chamado de "O doleiro dos doleiros". A ação faz parte da Operação Câmbio Desligo.
Mario Libman foi preso em seu apartamento em Ipanema, na zona sul. Agentes do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e  Receita Federal procuram o filho e sócio de Mario, Rafael, que também é ex-genro de Dario Messer. As prisões temporárias foram determinadas pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.
Mario e Rafael Libman eram sócios nas empresas Rali e Palazzo dos Artistas Empreendimentos Imobiliário, cuja sede fica em um shopping em Copacabana. Segundo as investigações, a empresa movimentou R$ 31,8 milhões entre 2011 a 2016. Parte do dinheiro, recebido entre 2012 e 2014, foi usado por Mario Libman para pagar obras na cobertura de Messer no Leblon, e outra, de quase R$ 20 milhões, para comprar terrenos e construir imóveis no nome de suas empresas Rali e Palazzo dos Artistas. Três construtoras e três condomínios residenciais também foram pagos por meio do esquema.
Messer está foragido desde maio de 2018 e tinha mais de 400 clientes em operações clandestinas com a moeda americana, entre eles o ex-governador Sergio Cabral.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia