Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

gestão pública

Edição impressa de 09/07/2019. Alterada em 09/07 às 03h00min

Cade condena 11 empresas por cartel no metrô de São Paulo

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou, ontem, Alstom, Bombardiere, CAF e outras oito empresas por formação de cartel e superfaturamento nas obras do metrô de São Paulo. As empresas terão de pagar mais de R$ 500 milhões em multas. A Alstom ainda ficou proibida de participar de licitações por cinco anos. No processo, 16 empresas e mais de uma centena de funcionários foram investigados em São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou, ontem, Alstom, Bombardiere, CAF e outras oito empresas por formação de cartel e superfaturamento nas obras do metrô de São Paulo. As empresas terão de pagar mais de R$ 500 milhões em multas. A Alstom ainda ficou proibida de participar de licitações por cinco anos. No processo, 16 empresas e mais de uma centena de funcionários foram investigados em São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.
As provas foram obtidas durante uma operação feita pelo Cade em julho de 2013. O material revelou que o conluio começou no período em que São Paulo foi governado pelos tucanos Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.
Procuradas, Alstom e Bombardier não se pronunciaram. Em nota, a CAF diz que respeita o trabalho do Cade, "mas considera a decisão injusta e tomará as medidas administrativas e judiciais cabíveis para demonstrar que sempre agiu de acordo com a legislação brasileira e as regras de livre concorrência".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia