Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de junho de 2019.
Dia Internacional de Combate às Drogas.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Edição impressa de 26/06/2019. Alterada em 26/06 às 03h00min

Greenwald diz que nos EUA Moro teria sido afastado

O jornalista Glenn Greenwald classificou de chocante o suposto conluio entre o ex-juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça, e o procurador Deltan Dallagnol em processos da Operação Lava Jato, especialmente no caso que levou à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo ele, se fosse nos Estados Unidos, Moro teria sido afastado da magistratura e, depois, não poderia nem mesmo advogar. "Nos Estados Unidos (a colaboração secreta entre juiz e procurador) é impensável. Se um juiz fizesse uma única vez lá o que Sérgio Moro fez aqui durante cinco anos ele perderia o cargo e seria proibido de advogar", disse Greenwald.
O jornalista Glenn Greenwald classificou de chocante o suposto conluio entre o ex-juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça, e o procurador Deltan Dallagnol em processos da Operação Lava Jato, especialmente no caso que levou à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo ele, se fosse nos Estados Unidos, Moro teria sido afastado da magistratura e, depois, não poderia nem mesmo advogar. "Nos Estados Unidos (a colaboração secreta entre juiz e procurador) é impensável. Se um juiz fizesse uma única vez lá o que Sérgio Moro fez aqui durante cinco anos ele perderia o cargo e seria proibido de advogar", disse Greenwald.
O jornalista fez a declaração na abertura da sessão da Comissão de Direitos Humanos da Câmara no início da tarde desta terça-feira. Greenwald também reclamou das críticas que vêm recebendo de políticos ligados ao governo Jair Bolsonaro (PSL). Ele se queixou, sobretudo, da tentativa dos adversários de desqualificar o trabalho dele chamando-o, de forma pejorativa, de estrangeiro.
O jornalista disse que mora no Rio de Janeiro desde 2005, é casado com um brasileiro e tem dois filhos adotados no Brasil. "O Brasil é meu lar, meu único lar. O Brasil é o país do meu marido, dos meus filhos", afirmou.
Greenwald é um dos autores da série de reportagens que vem sendo publicada pela revista eletrônica The Intercept Brasil sobre mensagens entre Moro, Dallagnol e outros procuradores da Operação Lava Jato que indicam que eles direcionaram o processo do "triplex" contra o ex-presidente Lula.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia