Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de junho de 2019.
Dia Mundial do Doador de Sangue.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 14/06 às 15h41min

Bolsonaro reforça que acordo entre Mercosul e UE está prestes a ser concluído

Entendimento com vinicultores e com o setor de laticínios são entraves, segundo o presidente

Entendimento com vinicultores e com o setor de laticínios são entraves, segundo o presidente


Isac Nóbrega/PR/jc
Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (14), que o acordo comercial entre Mercosul e a União Europeia (UE) está prestes a sair e que agora falta apenas "uma coisinha ou outra", como chegar a entendimento com vinicultores e com o setor de laticínios.
Ao falar sobre os países da região, Bolsonaro disse que há interesse do Brasil em buscar soluções para ajudar a economia argentina a se recuperar.
Ele afirmou, por exemplo, que os argentinos estão interessados no transporte de cabotagem no Brasil e que a medida também pode beneficiar os brasileiros.
"Buscaremos também ajudar os vizinhos", afirmou Bolsonaro durante café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.
"Já temos a Venezuela, que é um problema complicadíssimo", afirmou.
Sobre medidas para impulsionar a economia doméstica, o presidente afirmou que a prioridade do governo após a reforma da Previdência será tocar a reforma tributária, como já anunciado pela equipe econômica.
Ele disse ainda que há preocupação com o nível do desemprego no País, mas que é um tema difícil diante do alto custo da mão de obra e da qualificação baixa dos trabalhadores brasileiros.
Bolsonaro afirmou que, se não fosse a reforma trabalhista aprovada durante o governo de Michel Temer, ao qual ele foi favorável como deputado federal, a situação "estaria muito pior".
CORRIGIR