Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Assembleia Legislativa

Edição impressa de 30/05/2019. Alterada em 30/05 às 03h00min

Lara aponta redução de despesas no Parlamento gaúcho

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Luís Augusto Lara (PTB), afirmou que, nos últimos 12 anos, o Parlamento teve um movimento expressivo de redução de despesas. As informações foram dadas em um café da manhã com a imprensa nesta quarta-feira, no Palácio Farroupilha, no qual apresentou o balanço das atividades da casa no primeiro quadrimestre.
Segundo Lara, de 2006 a 2018, o Parlamento reduziu em 35% as despesas com pessoal, em 63% as despesas com diárias e em 47% as despesas com indenização veicular.
Em termos de números, a Assembleia consome 1,73% do orçamento do Estado, ficando atrás do Executivo (84,55%), Judiciário (8,81%) e Ministério Público (2,36%).
O deputado também mostrou os resultados parciais da campanha Valores que ficam, promovida pela Assembleia. Houve um aumento de 42% na arrecadação do Fundo da Criança e Adolescente (Funcriança) no Estado. Até 30 de abril, esse valor representou R$ 13,8 milhões. "Nesta segunda etapa da campanha vamos esclarecer que os contribuintes podem doar até 6% do valor devido tanto ao Funcriança quanto ao Fundo do Idoso, além de doar mais 1% ao Fundo da Pessoa com Deficiência e outro 1% ao Fundo das Pessoas com Câncer, chegando assim a até 8% do valor estimado devido ao IR (Imposto de Renda)", disse Lara.
Entre as atividades da casa registrada no primeiro quadrimestre, Lara destacou as audiências públicas para discutir as privatizações, e também as votações em plenário, audiências públicas de comissões e instalação de frentes parlamentares, mais de 100 em quatro meses.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia