Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de maio de 2019.
Dia Nacional do Café.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 24/05 às 19h14min

Sem reforma, Guedes terá de ser trocado por ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (24) que a sua relação com o ministro da Economia, Paulo Guedes, segue "mais forte do que nunca" e brincou que caso não consiga aprovar a reforma da Previdência, precisará de um ministro da Alquimia. Em publicação nas redes sociais, ele tentou minimizar a repercussão de declaração de Guedes que, em entrevista à revista Veja, afirmou que não tem como permanecer no governo se a proposta de mudança enviada à Câmara dos Deputados virar uma "reforminha".
"Peço desculpas por frustrar a tentativa de parte da mídia de criar um virtual atrito entre eu e Paulo Guedes. Nosso casamento segue mais forte do que nunca. No mais, caso não aprovemos a Previdência, creio que deva trocar o ministro da Economia pelo da Alquimia, só assim resolve", escreveu o presidente.
Mais cedo, em viagem a Pernambuco, Bolsonaro ressaltou que é um direito do ministro deixar o cargo caso a reforma não seja aprovada. A declaração teve repercussão negativa no Congresso Nacional e foi avaliada como um sinal de que a relação entre os dois passa por um desgaste. "É um direito dele. Ninguém é obrigado a continuar como ministro meu. Logicamente, ele está vendo uma catástrofe, é verdade, eu concordo com ele, se nós não aprovarmos algo realmente muito próximo ao que enviamos no Parlamento", disse.
Guedes, que tem o apoio do mercado financeiro e é considerado um dos fiadores da gestão do presidente, que tem enfrentado dificuldades em viabilizar a votação da proposta. O presidente disse ainda que o Brasil não precisará mais de ministro da Economia se a reforma aprovada for de "japonês". "Lá (no Japão), tudo é miniatura", declarou em Petrolina, sertão de Pernambuco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia