Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de abril de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

17/04/2019 - 15h49min. Alterada em 17/04 às 15h49min

Feliciano vê crime de responsabilidade em 'like' de Mourão e pede impeachment

Deputado acusa vice-presidente de ter tido comportamento indecoroso

Deputado acusa vice-presidente de ter tido comportamento indecoroso


ZECA RIBEIRO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Estadão Conteúdo
O deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP) protocolou na terça-feira (16), um pedido de impeachment do vice-presidente Hamilton Mourão. Ele acusa o general de ter tido comportamento indecoroso e vê crime de responsabilidade.
Um dos argumentos colocados no pedido é uma "curtida" (like) da conta de Mourão no Twitter em uma publicação da jornalista Rachel Sheherazade, do SBT. "A denúncia por crime de responsabilidade contra Mourão se deu por comportamento indecoroso em várias ocasiões. Exemplo: na medida em que ele curtiu tweet de Rachel Sheherazade, detonando com o presidente Jair Bolsonaro, o louvando como melhor opção para governar o país."
No Twitter, o deputado chama o pedido de "tiro de alerta". Ele lembra que Dilma Rousseff (PT) foi alvo de vários pedidos de impeachment "antes do derradeiro". A petista foi tirada do poder em 2016.
"Ontem protocolei pedido de impeachment contra o vice-presidente Mourão. Foi um tiro de alerta!", escreveu Marco Feliciano. "Dilma teve 19 pedidos antes do derradeiro. Espero que o General Mourão tenha postura leal com o presidente Jair Bolsonaro. Chega de conspiração, agora é hora de união!"
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia