Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de abril de 2019.
Páscoa.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

Alterada em 16/04 às 13h39min

Tudo que Parlamento puder fazer para valorizar salário deve ser feito, diz Maia

'Tudo o que o Parlamento puder fazer para valorizar o salário, a gente precisa fazer', afirmou Maia

'Tudo o que o Parlamento puder fazer para valorizar o salário, a gente precisa fazer', afirmou Maia


ANTONIO CRUZ/ABR /JC
Estadão Conteúdo
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), abordou com cautela uma possível intervenção do Congresso para forçar o governo a rever a valorização do salário mínimo. "Acho que nós vivemos uma crise fiscal muito grande. Tudo o que o Parlamento puder fazer para valorizar o salário dos brasileiros, a gente precisa fazer. Agora, qualquer encaminhamento populista gera um benefício no curto prazo e um prejuízo no longo prazo", disse.
Maia lembrou o que ocorreu na semana passada com a Petrobras. Depois que o presidente Jair Bolsonaro determinou que a empresa suspendesse o reajuste do preço do diesel, o valor de mercado da companhia recuou R$ 32 bilhões.
"Temos de tomar cuidado que se a gente encaminhar uma valorização do salário mínimo acima das limitações do Orçamento, vamos estar aumentando o déficit público, gerando restrições fiscais e prejudicando o crescimento do Brasil", disse.
"Vamos avaliar a decisão do governo junto com os parlamentares e vamos ter frieza, paciência e equilíbrio para decidir o que é melhor no médio e longo prazos", disse Maia. "Talvez tomar uma decisão divergente do governo no curto prazo possa ser uma decisão correta, mas certamente no longo prazo pode ter impacto negativo e o resultado ser pior do que a proposta pelo governo."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia