Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de abril de 2019.
Dia do Obstetra.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

12/04/2019 - 11h38min. Alterada em 12/04 às 11h38min

PEC da Previdência será a prioridade na próxima sessão da CCJ, diz Marinho

Secretário disse que cronograma estabelecido durante CCJ será mantido

Secretário disse que cronograma estabelecido durante CCJ será mantido


ANTONIO CRUZ/ABR/JC
Estadão Conteúdo
Depois da sinalização nessa quinta-feira (11), de que a reforma da Previdência poderia ser a segunda votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) nesta quarta-feira (17), o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, declarou na manhã desta sexta-feira (12), que o presidente da CCJ, deputado Felipe Franceschini, afirmou que manterá a Previdência como prioridade na sessão.
"Franceschini publicará hoje a pauta da comissão e me disse pessoalmente que será votada primeiro a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da Previdência", disse Marinho em entrevista à Radio Bandeirantes. "Ouvi dele ontem que a pauta da comissão dará prioridade à Previdência. O cronograma estabelecido na CCJ está mantido", reforçou.
Marinho reconhece que, pela importância da proposta, o texto deverá seguir sob escrutínio dos parlamentares. "O parlamento certamente está debruçado sobre o tema e dá a importância que ele requer. A sociedade brasileira tem pressa e entendemos que deverá haver celeridade sem haver prejuízo na qualidade do debate", comentou.
"Em todas as bancadas que visitei, 11 na Câmara e duas no Senado, encontrei um espírito extremamente propositivo em relação à reforma, num ambiente melhor do que era durante a tramitação da proposta do governo Temer", disse Marinho. "Até mesmo a oposição, quando discute conosco a proposta, admite e reconhece a necessidade de se reestruturar o sistema previdenciário", apontou o secretário.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia