Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de abril de 2019.
Dia do Obstetra.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

combustíveis

12/04/2019 - 10h44min. Alterada em 12/04 às 11h03min

Determinação de Bolsonaro sobre recuo do diesel foi 'caso isolado', diz Mourão

Vice-presidente afirmou que política de preços não será como a do governo Dilma Rousseff (PT)

Vice-presidente afirmou que política de preços não será como a do governo Dilma Rousseff (PT)


MARIANA CARLESSO/JC
Estadão Conteúdo
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou em entrevista à Rádio CBN que a determinação do presidente Jair Bolsonaro para a Petrobras recuar do reajuste no diesel foi um caso "isolado". Mourão disse crer em bom senso e que não se repetirá a política de preços adotada do governo Dilma Rousseff (PT).
Horas depois de anunciar o aumento do preço do diesel, a Petrobras na noite dessa quinta-feira (11), voltou atrás e informou que manterá "por mais alguns dias" o preço praticado desde 26 de março, quando mudou sua política de reajustes.
No mês passado, diante do risco de nova greve dos caminhoneiros, a empresa anunciou que os preços do diesel nas refinarias, que correspondem a cerca de 54% do total pago pelo consumidor, passarão a ser reajustados "por períodos não inferiores a 15 dias".
Nessa quinta, exatos 15 dias úteis depois do anúncio, a Petrobras anunciou reajuste de 5,7%. O litro passaria de R$ 2,1432 para R$ 2,2662.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia