Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

29/03/2019 - 17h52min. Alterada em 29/03 às 17h54min

MPF-RJ suspeita de vazamento da operação por contato entre Temer e Moreira Franco

Temer (e) e Moreira Franco comunicaram-se por meio de um aplicativo de mensagens

Temer (e) e Moreira Franco comunicaram-se por meio de um aplicativo de mensagens


BETO BARATA/PR/Divulgação/JC
Estadão Conteúdo
O ex-presidente Michel Temer e o ex-ministro Moreira Franco se falaram por meio de um aplicativo de mensagens na madrugada do dia em que foram presos, 21 de março, segundo o Ministério Público Federal (MPF) do Rio que apresentou nesta sexta-feira (29), denúncia contra os dois por peculato, lavagem de dinheiro e corrupção na construção de Angra 3.
De acordo com os procuradores, a comunicação entre os dois é um forte indício de que eles tiveram informações privilegiadas sobre a prisão iminente. E, também por isso, uma justificativa suficiente para o pedido de prisão preventiva dos dois.
O primeiro contato ocorreu à 1h24. Temer manda uma mensagem para Moreira perguntando se ele está acordado. Por volta de 1h40, Moreira tenta ligar para Temer sem sucesso. Ele, então, responde dizendo que está acordado e que tentou ligar.
Os procuradores rastrearam os contatos entre os dois por pelo menos 80 dias, revelando que, ao longo deste período, eles nunca se falaram de madrugada. "Nos causou espécie que a menos de cinco horas da prisão eles tenham se comunicado de madrugada", disse Eduardo El Hage, coordenador da força-tarefa do MPF. "É um indício de um possível vazamento."
O MPF no Rio informou ainda que ex-presidente da Eletronuclear almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva e suas duas filhas Ana Cristina e Ana Luisa mantinham quatro contas não declaradas no exterior para recebimento de dinheiro oriundo de propina. Os três foram denunciados pelo MPF na mesma denúncia que envolve Temer e Moreira Franco.
Pelas quatro contas na Suíça passaram cerca de R$ 60 milhões, advindos de atividades ilícitas relacionadas a empresas envolvidas na construção de Angra 3, afirmou o MPF. "Queria lamentar, pessoalmente, o envolvimento do almirante Othon nesses crimes de corrupção", afirmou o procurador Leonardo Cardoso. "Ele é uma referência do programa nuclear brasileiro e certamente não precisava disso. Nós brasileiros também não merecíamos ter uma pessoa dessa envolvida nesses fatos."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia