Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 29/03 às 17h32min

Lava Jato defende no STF acordo entre MPF e Petrobras

caso ainda será analisado definitivamente pelo plenário da Corte, mas a data ainda não foi definida

caso ainda será analisado definitivamente pelo plenário da Corte, mas a data ainda não foi definida


NELSON JR./SCO/STF/JC
Agência Brasil
A força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato no Paraná enviou nesta sexta-feira (29) ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma manifestação a favor do acordo feito com a Petrobras e o governo dos Estados Unidos para o ressarcimento dos prejuízos causados a investidores norte-americanos pelos casos de corrupção na estatal.
No ofício, o procurador Deltan Dallagnol e sua equipe defenderam a legalidade do acordo e afirmaram que o MPF não assumiu papel na gestão de aproximadamente R$ 2 bilhões, valor referente à parte da multa prevista no acordo. A criação do fundo foi o principal ponto controverso na questão.
"Não há, portanto, no texto do acordo, qualquer previsão que disponha sobre eventual gestão dos recursos por membros do Ministério Público ou de qualquer recebimento de recursos por parte dos membros do Ministério Público", diz a manifestação.
No dia 15 de março, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes suspendeu o acordo ao atender um pedido feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Moraes entendeu que a Procuradoria Geral da República (PGR) tem a prerrogativa para atuar nesses casos, e não a primeira instância do MPF. Além disso, o ministro disse que o acordo não estabeleceu que os recursos deveriam ser depositados em um fundo.
O caso ainda será analisado definitivamente pelo plenário da Corte, mas a data ainda não foi definida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia