Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de março de 2019.
Início do Outono.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

20/03/2019 - 11h21min. Alterada em 20/03 às 12h08min

Ministério Público denuncia Sérgio Cabral pela 29ª vez

Outros dois acusados foram presos preventivamente acusados de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Outros dois acusados foram presos preventivamente acusados de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa


ELZA FIÚZA/ABR/JC
Estadão Conteúdo
Pela 29ª vez, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (MDB), como parte da Operação Consigliere, um dos braços da Lava Jato no Estado. Além do ex-governador, também foi denunciado o secretário estadual da Casa Civil nos dois mandatos de Cabral Regis Fichtner e o coronel da PM Fernando França. Os dois, que já se encontram presos preventivamente, são acusados de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
De acordo com a denúncia, Fichtner era uma figura central na organização criminosa comandada pelo ex-governador. Como chefe da Casa Civil, era o responsável por buscar soluções jurídicas para justificar eventuais alterações contratuais, editais de licitação, benefícios fiscais, contratação de obras. Fichtner teria recebido R$ 4,9 milhões em propina, com anuência do ex-governador.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia