Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de março de 2019.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Edição impressa de 15/03/2019. Alterada em 14/03 às 01h00min

Vélez faz nova mudança em cargo número 2 do MEC

O titular do Ministério da Educação (MEC), Ricardo Vélez Rodriguez, confirmou a escolha de Iolene Lima para a Secretaria Executiva do MEC, cargo considerado o número dois na organização da pasta. Ela já estava no MEC e é ligada aos evangélicos. É o segundo nome anunciado para o cargo em três dias. O ministro desistiu de promover o adjunto da secretaria, Rubens Barreto, após críticas a seu nome vindas do grupo ligado ao escritor Olavo de Carvalho.
Iolene chegou ao MEC em janeiro para ocupar uma das diretorias da Secretaria de Educação Básica. Apontada como uma evangélica moderada, ela já foi uma das dirigentes da Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios, uma ONG que apoia escolas confessionais.
O fato de ser evangélica deu força para a escolha de Iolene. Na quarta-feira, ela viajou com o ministro para Suzano, em São Paulo, para acompanhar os desdobramentos do ataque na escola Raul Brasil.
O anúncio ocorre em meio a uma crise envolvendo a troca de cargos e choques entre grupos de influência no governo. Pessoas ligadas a Olavo de Carvalho fomentaram uma campanha associando mudanças no quadro de servidores a perseguição a discípulos do escritor.
Após a confirmação da saída do secretário executivo Luiz Antonio Tozi, a pedido do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o ministro anunciou que o assessor de Tozi, Rubens Barreto, assumiria a vaga.
Assim como Tozi, Barreto também é oriundo do Centro Paula Souza, de São Paulo. Barreto tornou-se, então, alvo de ataques por parte de olavistas. A Folha de S.Paulo apurou que o próprio Barreto não almejava liderar a secretaria. A secretaria executiva do MEC é considerada o motor da pasta. Por lá passam todas as decisões importantes do ministério. A exoneração de Luiz Tozi foi publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia