Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de março de 2019.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 14/03 às 13h00min

Presidente afirma ter 'poder de veto' em nomeações

Bolsonaro justificou pedido feito a Sérgio Moro para que não nomeasse Ilona Szabó

Bolsonaro justificou pedido feito a Sérgio Moro para que não nomeasse Ilona Szabó


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro afirmou nessa quarta-feira (13), que, apesar de ter dado carta branca aos seus ministros para nomeações, tem "poder de veto" em determinados casos. O comentário foi feito em café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.
Bolsonaro falou em "poder de veto" ao justificar o pedido feito ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, para que não nomeasse a cientista política e especialista em segurança pública Ilona Szabó. Segundo o presidente, ela defende posicionamentos "incompatíveis com o governo". Em fevereiro, Ilona foi "desconvidada" por Moro para assumir o posto de suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.
Bolsonaro disse ainda que o principal problema no caso de Ilona foram suas posições em relação a temas que poderiam gerar problemas para ele com a base aliada. Na época, houve grande repercussão nas redes sociais contrária à nomeação.
Para o presidente, o fato de a cientista política defender a legalização do aborto, por exemplo, poderia criar "ruído" no Legislativo. Bolsonaro afirmou que teve uma conversa "tranquila" com Moro sobre o assunto e ele compreendeu a questão.
Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo após a "demissão", Ilona disse que Moro lamentou, mas estava sendo pressionado, "porque o presidente Bolsonaro não sustentava a escolha na base dele".
O vice-presidente, general Hamilton Mourão, também criticou o recuo e disse que o Brasil perdia. "Perde o Brasil todas as vezes que você não pode sentar numa mesa com gente que diverge de você", afirmou o general na ocasião.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia